Os homens brasileiros morrem mais de suicídio do que de HIV/Aids. Como ajudar? | Consultório #6

O Setembro Amarelo é uma campanha promovida desde 2015 pelo Centro de Valorização da Vida (CVV), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

Ela se inspira em uma iniciativa estadunidense chamada Yellow Ribbon (fita amarela), criada pelos pais de Michael Emme, um jovem de 17 anos que se suicidou no Colorado (EUA) em agosto de 1994.

“Mustang Mike” amava o Mustang amarelo que havia restaurado e amava, e seus amigos e familiares decidiram distribuir fitinhas dessa cor no velório do rapaz, para alertar sobre o problema e incentivar os jovens a pedir ajuda.

Dale e Darlene Emme foram ampliando essa iniciativa e fundaram o Yellow Ribbon Suicide Prevention Program. O dia 10 de setembro foi definido pela International Association for Suicide Prevention como o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, motivo pelo qual a campanha brasileira acontece esse mês.

Em apoio a essas iniciativas, vamos falar hoje sobre esse fenômeno que mata milhares de pessoas todos os anos.

O tamanho do problema

De acordo com o TabNet/DATASUS, 2.378 mulheres e 9.053 homens se mataram em 2016. Isso representa 4 em cada mil mortes femininas e 12 em cada mil mortes masculinas.

Para efeito de comparação, no mesmo ano morreram 4.254 mulheres e 8.254 homens por conta do HIV e suas complicações – ou seja, os homens brasileiros morrem mais de suicídio do que de HIV/Aids.

Também em 2016, as “lesões autoprovocadas intencionalmente” foram a quinta maior causa de morte entre meninos e rapazes 10 a 19 anos no Brasil, com 634 casos. Elas ficam atrás das agressões (10.231), acidentes (4.277), neoplasias malignas (908) e “eventos de intenção indeterminada” (640 casos).

Vale mencionar que, juntas, essas cinco causas correspondem a quase 79,5% das mortes nessa faixa etária.

Quem se mata?

Desde muito cedo aprendemos que a vida é “o bem mais precioso”, e todas as grandes religiões ocidentais reprovam de uma forma ou de outra o suicídio – “Deus dá a vida, e só ele pode tirá-la”.

Assim, é muito difícil compreender por que uma pessoa tenta se matar até conhecer alguém que o tentou ou, pior, começar a pensar nisso.

Não cabe fazer uma reflexão longa sobre isso, mas, se for possível uma síntese, tirando as pessoas com a capacidade de avaliação da realidade prejudicada (em overdose ou surto psicótico, por exemplo), as pessoas se matam porque a vida deixa de valer o esforço – todo mundo sabe que viver não é fácil, e pode se tornar insuportável ou profundamente sem sentido para algumas pessoas. Não são pessoas que querem tirar a vida, mas dar término a um sofrimento excruciante, e não conseguem encontrar outra saída.

De acordo com o Ministério da Saúde, alguns indivíduos têm mais risco de se matar que outras, e estar atentos a isso é papel dos profissionais de saúde, familiares e amigos.

Os dois principais fatores de risco são uma história de tentativa de suicídio (o que acaba com os mitos de que “quem tenta uma vez não tenta mais” ou “quem tenta se matar só quer chamar atenção”) e presença de transtorno mental, transtornos do humor (como depressão), abuso de álcool e substâncias, transtornos de personalidade e esquizofrenia.

No entanto, há outras populações e situações em que o suicídio é mais frequente:

  • Homens
  • Pessoas entre 15 e 35 anos ou acima de 75 anos
  • Estratos econômicos extremos
  • Residentes em áreas urbanas
  • Desempregados (principalmente perda recente do emprego) e aposentados
  • Pessoas em isolamento social
  • Divorciados e viúvos (nessa ordem)
  • História de automutilação deliberada (por exemplo, pessoas que se cortam)
  • Migrantes
  • Pessoas com doenças graves ou incapacitantes (como câncer, HIV/Aids ou dor crônica)
  • Certas profissões, como veterinários, farmacêuticos, lavradores e médicos
  • Perdas recentes
  • Dinâmica familiar conturbada
  • Datas importantes (como aniversário ou fim de ano)

Será que ele quer se matar?

Nenhum dos fatores de risco citados deve ser considerado isoladamente, mas servem como dissemos, maior atenção das pessoas ao redor. Algumas frases também devem levantar suspeita de uma possível ideação suicida (desejo de se matar):

  • “Vou desaparecer”
  • “Eu não aguento mais”
  • “Eu preferia estar morto”
  • “Eu não posso fazer nada”
  • “Vou deixar vocês em paz”
  • “É inútil tentar fazer algo para mudar”
  • “Os outros vão ser mais felizes sem mim”
  • “Queria me enfiar em um buraco e sumir”
  • “Eu queria poder dormir e nunca mais acordar”
  • “Eu sou um perdedor e um peso para os outros”

Talvez você já tenha ouvido alguma delas.

Talvez você já tenha pensado ou dito alguma delas.

Muitas pessoas pensam que o suicídio é algo impulsivo, um fenômeno que não dá sinais prévios, mas isso não é verdade.

Há pessoas que pensam constantemente nisso, e muitos indivíduos comunicam seu sofrimento com frequência a outras pessoas. Outra ideia errônea sobre o suicídio é que “quem tenta se matar só quer chamar atenção” – quem tenta se matar está em grande sofrimento, e muitas vezes percebemos tarde demais que elas já vinham pedindo ajuda.

O que fazer?

Pessoas que querem acabar com sua própria vida lidam com pensamentos e sentimentos insuportáveis, que elas comumente sabem serem graves mas não sabem como superar.

Ao pedir ajuda, elas merecem ser respeitadas e levadas a sério; ter seu sofrimento levado em consideração; conversar com privacidade e serem escutadas com atenção; serem encorajadas a se recuperar e procurar ajuda profissional.

A ideia da morte de alguém próximo, ainda mais autoprovocada, pode causar desespero em muitas pessoas e isso acaba atrapalhando sua capacidade de acolher o outro. Respostas apressadas como “não exagere”, “isso não é nada”, “isso vai passar”, “tente pensar em coisas melhores” e comparações de sofrimento como “passei por coisa pior e não me matei”, por melhor que seja a intenção, não ajudam e fazem a pessoa se sentir mais incompreendida e solitária.

O Ministério da Saúde tem uma página de web muito interessante sobre os sinais de alerta e a prevenção do suicídio, que dá orientações mais detalhadas sobre o assunto.

É de lá que retirei e adaptei essas recomendações sobre o que fazer diante de pessoas com risco de suicídio:

  1. Encontre um momento apropriado e um lugar calmo para falar sobre suicídio com a pessoa. Deixe-a saber que você está lá para ouvir, ouça-a com a mente aberta e ofereça seu apoio. Não julgue e não a culpe.

  2. Incentive a pessoa a procurar ajuda de profissionais de serviços de saúde, de saúde mental, de emergência ou apoio em algum serviço público. Ofereça-se para acompanhá-la a um atendimento.

  3. Se você acha que essa pessoa está em perigo imediato, não a deixe sozinha. Procure ajuda de profissionais de serviços de saúde, de emergência e entre em contato com alguém de confiança, indicado pela própria pessoa. Opções incluem o CVV (Centro de Valorização da Vida, ligação gratuita 188), Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), Unidades Básicas de Saúde, UPAs, SAMU (192), pronto-socorros, hospitais com atendimento de emergência.

  4. Se a pessoa com quem você está preocupado(a) vive com você, assegure-se de que ele(a) não tenha acesso a meios para provocar a própria morte (por exemplo, pesticidas, armas de fogo ou medicamentos) em casa. Se ela fizer uso de medicações para tratamento psiquiátrico, mantenha-os fora do alcance dela e assuma sua administração diária.

  5. Fique em contato para acompanhar como a pessoa está passando e o que está fazendo.

O CVV (Centro de Valorização da Vida) oferece apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, email, chat e VOIP, 24 horas por dia, todos os dias da semana. Em parceria com o SUS, a ligação para o número 188 é gratuita e pode ser feita por telefone fixo ou celular. Também é possível acessar o site do CVV para chat, Skype, e-mail e mais informações.

Suicídio na imprensa – o “efeito manada”

Existem evidências de que a abordagem de suicídios específicos pela imprensa pode aumentar as tentativas entre os leitores e espectadores, fenômeno apelidado de “efeito manada” ou “efeito contágio”.

Mais uma vez, o Ministério da Saúde elaborou um documento com orientações aos profissionais da imprensa e os meios de comunicação para que eles possam prestar informações de forma cuidadosa.

Isso inclui não dar destaque à notícia (como publicá-la na capa de um jornal); não usar a palavra “suicídio” no título; não tratar o suicídio como crime ou caso de polícia; não divulgar local ou método; não publicar fotos; não apontar causas ou explicações; não publicar cartas ou bilhetes de despedida; dentre outros.

Não se trata de manter o suicídio como um tabu, mas de a imprensa fazer seu trabalho de forma responsável e ser uma aliada no enfrentamento do problema.

Falar – e ouvir – é o caminho para evitar um suicídio e dar novos sentidos a uma vida que parece não valer a pena.

Peça ajuda e ajude a quem precisa.

Não são só os médicos que salvam vidas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *