Category: Artigos de Suplementos

O que é "garantir direitos iguais" e o que é "dar privilégio"?

Em 13 de fevereiro, no limiar do Dia dos Namorados, tentou-se criminalizar a homofobia no STF.

Nos últimos anos, todos os problemas envolvendo sexualidade e legislação geraram muita política e controvérsia entre os cidadãos.

Nos últimos dias, vimos várias manifestações de LGBTQ e seguidores que querem que a homofobia seja um crime não confiável, bem como o racismo. E também vimos muitas pessoas contra a criminalização e questionamos que "Se todos são iguais, por que precisamos criar legislação específica para proteger um grupo? Não seria um privilégio?"

Mais do que falar sobre o voto real ou os conflitos de jurisdição que surgiram na matéria, neste texto eu gostaria de participar desta questão

Imagine que você está trabalhando no escritório para um empresa onde todos têm o direito de sair às 19:00 e ir para casa descansar.

O que é "garantia de direitos iguais" e o que "dá privilégio"? Nesta semana, o chefe decidiu que cada um dos funcionários de seu departamento seria responsável pela revisão de 20 planilhas.

Mas toda vez que o chefe foi até sua mesa, ele lhe deu outra tarefa: uma pilha de papel, organizar o armazém, ligar para cinco fornecedores, citar um novo serviço de transporte, verificar o histórico de conexões de 30 funcionários e assim por diante.

às 7:00 da manhã, deixando todos os funcionários, exceto você e três outros funcionários que também receberam tantas tarefas extras que não puderam concluir no devido tempo para aproveitar o direito de sair às 19:00

Nesta história Percebemos que os direitos de ir e vir ao mesmo tempo são iguais para todos, mas como as condições de trabalho são muito diferentes, você e os outros 3 colegas nunca podem ter o resto como os outros.

três percebem que os outros também recebem uma tarefa extra por semana, mas são rápidas as coisas que não atrapalham seu direito de sair às 19:00. Os três chegam à conclusão de que o problema está no quadro, que é incorreto na distribuição de tarefas e então decide criar uma regra que impede que o gerente forneça mais informações a apenas alguns funcionários, o que dificulta a entrega do trabalho principal.

O direito de sair às 19h00 representa todos os direitos individuais – direito à vida, respeito, segurança, saúde, casamento civil e emprego – e as tarefas extras são as pequenas injustiças que impedem o indivíduo de gozar de seus direitos. Nesse contexto, embora o direito de sair às 19 horas seja para todos, quando há injustiça com poucos, é necessário criar uma regra extra com foco na causa dessa injustiça: limitar o número de tarefas que podem ser dadas a uma. pessoa solteira.

Olha, eu não mencionei porque o gerente lhe dá mais informações. Mas digamos que ele faça isso porque você e os outros gostam muito de futebol e quem não gosta de algo pensa que ser um fanático no jogo é algo que tem muito tempo de lazer para se divertir e então ele realmente precisa trabalhar um pouco mais. Ele até diz que futebol não é bom, que Deus não criou um homem para jogar futebol e que as pessoas certas deveriam usar o sétimo dia para ir à missa, como está escrito na Bíblia, e não "se divertir mundano Procure uma bola. "

Parece óbvio que a opinião do seu chefe e que o seu ato de lhe dar mais trabalho do que deveria é bastante injusto, você não merece ser tratado de forma diferente só porque você ama futebol. Você e seus outros três colegas nem entendem o que ele vê nisso. Você sabe que seu chefe pode continuar a não gostar de futebol, e você não quer mudá-lo, você só quer uma nova regra que garanta que ele não possa tratá-los de forma diferente ou encorajar outros a tratá-los de forma diferente por causa de um gosto pessoal

Solicitar apoio de outros funcionários para aprovar a nova regra não é fácil. Aqueles que se sentam ao seu lado e vêem o gerente dando-lhe tarefas extras todos os dias concordam muito rapidamente em apoiá-lo, mas os outros funcionários sentados mais longe pensam que estão indo mais tarde porque trabalham mais devagar e você não precisa mudar de emprego. 19659002]

Esta história toda reflete a situação atual: A população LGBT tem teoricamente os mesmos direitos que todos os cidadãos, mas eles enfrentam uma série cada dia. A injustiça diária é cometida por pessoas que pensam que não deveriam ser como são.

Infelizmente, na vida real, essas pequenas injustiças não são apenas tarefas que atrapalham o tempo de descanso. Muitos morrem vítimas de crimes de ódio simplesmente por serem quem são, por amar e se relacionar de outra maneira.

Se algumas pessoas na sociedade são histórias de histórias, aqueles que cometem injustiça, sejam eles maiores ou menores, há além de chefes, uma enorme massa de pessoas que são apenas os funcionários injustos. Estes são os que têm alguma tarefa extra, uma coisa pequena, e quando os recebem, eles podem cumprir e sair ao mesmo tempo. Portanto, eles não podem ver o problema daqueles que são estigmatizados e não querem que as regras mudem. Mudá-las pode parecer dar privilégios aos outros

Quando falamos de direitos iguais, isso não significa que devam existir as mesmas regras para todas as pessoas.

"Bem, como não?"

Seria assim se todos nós fossemos tratados igualmente em nossa sociedade, mas não chegamos a esse ponto. A Declaração Universal dos Direitos Humanos foi criada após a Segunda Guerra Mundial – aquela que teve o Holocausto Judaico e bombas atômicas demitidas pela população japonesa – isto é, foi criada em um momento em que nacionalismo, preconceito e guerra mataram centenas de milhares de pessoas.

O objetivo da declaração era, portanto, garantir direitos fundamentais que impediriam que um determinado grupo perseguido fosse tratado de maneira diferente. Assim, direitos iguais são um conceito popular que deve ser entendido como "direitos que garantem a igualdade" ou "direitos que impedem a estigmatização de um grupo por raça, cor, credo, classe social, sexo, sexualidade, etc."

necessário criar políticas diferentes, ao promover a igualdade e é necessário criar políticas iguais, quando a diferença promove a exclusão.

* * *

Vamos seguir a conversa nos comentários? Como você entende a criação de novas leis para corrigir desigualdades? Como você acha que seria uma maneira mais justa de garantir que as pessoas não tenham seus direitos minados pelo preconceito?

10 motos para usar no dia-a-dia e ainda pegar uma estrada no final de semana

Eu levei uma carta ao mesmo tempo de carro e moto. Ao contrário do meu primeiro carro – o Celta negro – para motos, nunca tive qualquer tipo de ajuda da família. Com o tempo, minha paixão por motocicletas só aumentou. Mas, sendo realista com meu salário de estágio, só consegui comprar metade de uma motocicleta com uma economia de três anos.

Mas tudo mudou quando ouvi falar de um novo programa de TV. Para quem não conhece essa gema da TV brasileira, "A Grande Chance", foi basicamente um jogo de perguntas e respostas com 4 equipes de 50 pessoas se enfrentando até que apenas um time sai vitorioso.

Hoje olho para trás, vejo o quanto isso mudou minha carreira – bom demais, é claro. Durante uma tarde mais tranquila no estágio entrei no site do programa e conversei com minha amiga Viviane para se registrar também.

Primeiro, ela estava um pouco preocupada em participar de um programa de televisão, mas decidimos ir juntos (precisávamos de um líder de grupo e um vice-líder).

Cheio de estilo durante a gravação do programa "A Grande Chance" [19659006] Encurte a história em duas palavras: vencemos!

Nós ganhamos um Ford Ecosport e duas motos!

Com o dinheiro ainda tínhamos um churrasco para todos os participantes – que era basicamente nossos amigos e familiares. Pela primeira vez na minha vida tive o dinheiro para realizar o meu sonho

pude comprar uma Yamaha Fazer 250 ano 2007 metal blue zero kilometro!

No mesmo dia, eu ainda comprei capacete importado, jaqueta, bota, luvas … o sonho ficou bem na minha frente. Foi com essa moto que fiz minhas primeiras viagens, a primeira grande viagem e, claro, fui pela primeira vez no circuito de direção. Graças a essa bicicleta, conheci alguns jornalistas do setor, como Francis Vieira, que mais tarde me disse para trabalhar em um jornal. Com essa moto, conheci grandes amigos que me ajudaram muito, como Willian Duarte, Antonio Felipe e Ryo Harada.

A imagem acima merece um texto. Estou na ECPA durante uma das minhas primeiras horas de condução. Sob o olhar atento do campeão Tite Simões, um dos melhores que já conheci. A cadeira combina com a luva e combina com a bicicleta – com bolha, logicamente. E ainda uso o capacete que ganhei do Leandro Mello.

"É uma história divertida, Lucas, mas por que você nos conta tudo isso?"

Muito calmo, meus queridos e preocupados leitores. aqui para dizer quais bicicletas são mais adequadas para começar no maravilhoso mundo das motos com o pé direito. Se você pesquisar na internet, a maioria dos textos indicará uma moto de 125cc ou mesmo uma motoneta. Na minha opinião, a moto perfeita é começar uma moto de 250cc ou pelo menos ao lado dela. Eles são bicicletas com freios mais potentes, mas sem lhe dar sustos. Eles são mais seguros com pneus e motores mais modernos que podem levá-lo ainda mais longe. Você pode até mesmo fazer uma pequena viagem ou dar um solavanco sem muita dificuldade.

Então, eu escolhi 10 modelos aqui. Vamo?

Yamaha Fazer 250 ABS

Naturalmente, começa com a mais nova geração da Fazer 250. É uma motocicleta confortável e econômica com maior aparência de motocicleta. Possui bancada de dois níveis, faróis com LED e freio a disco nas duas rodas com ABS. Se isso não bastasse, a tecnologia Flex ainda é interessante para quem procura finanças.

Honda CB 250F Twister ABS

Então nós temos o seu grande rival: Twister. A nova geração da Fazer 250 custa US $ 15.590 + frete. Acredite em mim, 2007 foi uma das maiores fontes de discussões na Internet (e além disso). Qual bicicleta foi melhor, Fazer ou Twister? Depois de ser substituído pelo CB 300R, Twister retornou recentemente, repleto de tecnologia.

Motor flexível, freios ABS e todas as luzes LED – chamado Full-LED. Em sua nova cor laranja, ela ficou ainda mais bonita. Eu particularmente adoro motocicletas com rodas pintadas.

Honda CB Twister com ABS custa R $ 14,990 + frete

BMW G 310 R

Para quem pode gastar um pouco mais e a mera aparência, a BMW G310 R é a maneira mais barata de ser um veículo de marca em casa. Nesta fase, o motor é mais potente e atinge uma potência máxima de 34 cv.

Na minha opinião, esta moto tem um dos lugares mais confortáveis ​​que eu já vi em uma moto nesta faixa de preço. O painel digital está ainda mais completo com o indicador de chave conectado.

AG 310 R taxada a R $ 18990

KTM 390 Duke

A KTM Duke possui uma ampla gama de superfícies projetadas para aqueles que gostam de acelerar com prazer. A proposta mais esportiva para todos os cilindros cilíndricos mostrados aqui. Possui quadro de treliça, painel digital com conexão móvel via Bluetooth e suspensões feitas para engolir curvas. Nesta nova geração, o banco melhorou muito.

Duke tem um preço de R $ 23.990,00

Yamaha MT-03

O MT-03 utiliza motocicletas de dois cilindros e utiliza o visual mais moderno e similar. da mesma forma que o carro esportivo Yamaha R3. Tudo isso nos lembra de uma moto esportiva, como o painel com torções analógicas e velocímetro digital. O banco de dois níveis deixa a bunda alta, mas o estilo é muito legal. Por ter mais cilindros, apresenta menos vibrações nas estradas.

MT-03 vendido por R $ 21.690 + Frete

Agora entramos nas motos mais "altas" deste texto. Muitos gostam do estilo, enquanto outros apenas querem escapar dos buracos no asfalto e ser capazes de tomar uma estrada de terra também.

Honda XRE 300

Nascido pouco depois do final do Tornado, a XRE teve a proposta de modernização e conforto. No final do ano passado, ela teve uma mudança visual, com luzes LED e um tanque cheio. Eu mesmo tive um XRE quando morei em São Paulo – mas esse é o assunto de outro texto. É uma motocicleta que ignora choques, escavações e buracos.

Renovado Honda XRE anunciado no local por $ 18.200 + Shipping

Yamaha Lander 250 ABS

Recentemente remodelado, a Lander finalmente adquiriu o importante recurso de freio ABS. No entanto, ao contrário das outras motos mostradas aqui, só funciona na roda da frente. Na última versão, o assento tornou-se mais anatômico e o visual muito mais moderno e esportivo. É também um dos poucos (próximos a XRE) a contar com a tecnologia Flex e possui faróis e lanterna LED. O motor é o mesmo que Fazer. Sua "irmã", Ténéréé 250, saiu da linha e deixou uma legião de fãs para trás. O que é possível acontecer no futuro é chegar a um novo Ténéré, mas com o mesmo motor no MT-03.

A nova geração Lander por R $ 16,990 + frete

BMW G 310 GS

Use a mesma versão básica R 310 GS ganha em tamanho, altura e porta-bagagens. Tem o mesmo motor, mas com uma roda dianteira maior e tensões de curso longo para viajar em qualquer terreno. O modelo é sabiamente inspirado pela R 1250 GS, conhecida por sua versatilidade. Embora seja mais caro do que sua versão nu, é o melhor que é vendido pelos dois com grande vantagem.

Também chamado de Baby GS é vendido R $ 24.900

Kawasaki Versys-X 300 ABS [19659017] Devido ao motor do Ninja 300, o Versys-X é um motor de dois cilindros com pegada off-road. Brincou rodas, banco em dois níveis e uma bota regular. Os pneus também mostram uma direção imediata em direção a estradas de terra. É geralmente comentado que com a chegada do Ninja 400, Versys logo receberia o mesmo motor, além de uma renovação visual.

O ABS Versys-X 300 sai de R $ 22.990 + frete

Royal Enfield Himalayan

O último lançamento, no entanto, aguardou muito tempo. O Himalaia é a primeira faixa da marca no Brasil. Com um motor moderno, com 411 cm³, além de um visual retrô, é o típico amor ou chapéu da motocicleta. Embora pareça clássico, possui freios ABS, câmbio de marchas de painel cheio e até mesmo uma curiosa bússola digital.

Retro charme na terra por R $ 18.990,00

Estas são as minhas 10 indicações de motocicletas que você pode usar todos os dias e ainda pegar uma estrada no final da semana.

Concluo aqui e explico que muitos modelos foram omitidos, sobre os quais nem falamos de outros esportes nus, grandes ou pequenos. Nunca no Brasil tivemos tantas opções para aqueles que querem se juntar a este mundo maravilhoso de duas rodas. Resta escolher qual deles se adequa ao seu estilo e usar.

Também lembro que esse texto veio do comentário de um leitor. E você, o que você está esperando? Você pode nos enviar sua proposta, opinião crítica ou nos notificar – abaixo.

14 lições que Sex Education realmente ensina sobre sexo

A educação sexual é uma série de 8 episódios que se segue à história de Otis (Asa Butterlfields), uma jovem que depois de vários anos olhou para o trabalho da mãe sobre terapia sexual, começando a ajudar colegas vendendo conselhos e orientações sobre sexo. O desenvolvimento do enredo é fácil e divertido. Além do drama pessoal dos personagens – todos os quais são grandes, complexos e bons de se identificar – a série fala sobre uma enxurrada de temas que dizem respeito à vida sexual de todos.

De uma forma muito natural e humanizada, a série fala de disfunções muito pontuais (como fingindo ser agradável, oral ou solicitando vaginismo) para questões mais amplas, como dificuldade em encontrar um parceiro no sexo, incerteza de se tornar homossexual, etc [19659002VocêpodeestarmenosinteressadoemiremboraporqueeuvoulhedizerqueOtisojovemquecopiaostratamentosaplicadosporsuamãeéumestudantede16anosequeaaçãoaconteceemtornodeumafaculdade

De fato, é muito sensato que a série ocorra no ensino médio, porque a vida sexual dos jovens começa em média aos 17 anos, e que muitas das nossas incertezas e dúvidas sexuais também aparecem na época.

Não poderíamos parar de falar sobre a série semelhante a esta coluna e por isso organizamos uma lista de 14 lições que realmente

(Sim, este texto contém spoilers, mas não é para acontecer O que acontece nos personagens Vamos apenas falar sobre como e quais problemas atormentam a vida sexual das pessoas na série.]

1. Os homens também fingem

A série aborda o tema de ambos os sexos na masturbação (sim, mesmo na masturbação) e mostra que fingir é uma maneira de evitar lidar com as inconveniências de não gostar e ter que explicar sobre isso. A regra a seguir.

A dificuldade de gozar, seguida pela necessidade de gozar prazer, é também o resultado da pressão social que atende às expectativas do sexo "normal". Mesmo para os interessados, já falamos sobre isso neste texto:

"Vamos evitar explicações, mas por que você tem que explicar, afinal? É no roteiro padrão que surge o problema, no roteiro onde você pode se divertir é o fim do sexo: o propósito disso e o aviso no final. "

2. O sexo oral não pode ser a sua praia

Um dos personagens sofre com o fato de não poder praticar sexo oral em nenhum parceiro. Ela também exigiu durante o ato. Algumas pessoas sentem mais ou menos quando o pênis está perto da garganta, mas as dicas sobre como "evitar gafes no sexo oral" são a mensagem importante na série de que nem todos precisam gostar ou praticar sexo oral. [19659002] O sexo oral não pode ser a sua praia, e se não for, existem infinitas outras maneiras de flertar o sexo que não tem que passar pelo seu pescoço. Assim como pode ser, o problema não é o oral em si, mas a profundidade que tentou.

3 A masturbação pode ser extremamente difícil

Não há spoiler se isso acontecer nos primeiros 5 minutos, certo? Otis, filho do terapeuta, não sabe muito sobre as funções funcionais e reprodutivas do corpo, não se sente confortável tocando e se masturbando. E não haveria nada de errado com isso, se não fosse pela pressão que o garoto sente em corresponder ao que é considerado "normal em sua idade".

A dificuldade de se masturbar também parece ser uma personagem feminina. A menina, que teve vida sexual por um longo tempo, começa a sentir falta de algo no sexo, mas quando ela recebe conselhos dos mártires, ela se sente muito desconfortável com a idéia.

4

Vemos que as explicações públicas do amor podem ser um ato egocêntrico como o "canto" do amado aos olhos dos outros, fazendo com que essa pessoa se sinta em segredo para dar uma resposta negativa. Além disso, a insistência nesse tipo de atitude, depois de mais de um negativo, torna-se um esforço doentio.

5º Nem todo mundo vai fazer sexo quando todo mundo faz sexo

Em todas as idades da vida, seja hetero, bi ou trans, rico ou pobre, sempre há uma fase em que a pessoa quer foder, mas não consegue. Quando a solução é caçar, atirar em todas as direções, o resultado pode ser uma decepção e o processo é desgastante.

Atravessar esses momentos "secos" é parte da vida. Deixar você aproveitar essa fase, mesmo que contenha alguma solidão, pode ser muito construtivo. Não é um erro ficar um pouco sozinho e devemos aprender que o amor e as relações sexuais não são um requisito obrigatório para se viver bem. Além disso, essa atitude nos impede de nos envolver em relacionamentos impulsionados pela pressa ou pelo medo de ficar sozinhos.

6 O trânsito no escuro não impede a incerteza

Um dos casais tinha apenas seis anos quando todas as luzes estavam apagadas. Este não foi um problema com o sexo, mas foi um reflexo de outra questão: a incerteza sobre o corpo. Quando nos deparamos com incertezas que não sabemos identificar, tentamos encontrar pequenas coisas que facilitem a perturbação (além de fingir prazer).

No entanto, há momentos em que temos que enfrentar nosso desconforto, tentar entender o significado desse sentimento, procurar o que ele se relaciona.

7 Escondendo-se e machucando

Mais de um personagem da série encontra-se no armário de alguma forma – esconde sua orientação sexual, uma paixão ou se atrapalha na maneira como se veste e parece se sentir melhor aceito [19659002] sentir-se inadequado em sua própria pele é uma dor cotidiana e perturba todos os nossos relacionamentos: família, amizade e especialmente nosso próprio amor. Acima de tudo, a excitação de constantemente engolir coisas importantes nos leva a pequenas explosões que, em vez de comunicar nossos sentimentos, acabam ferindo os outros ao nosso redor.

8º Depois que o conceito de pornografia perturba o prazer

Não se trata apenas de tentar imitar a performance do filme pornô. Como mencionamos nos tópicos acima, a maioria de nossas incertezas (sejam elas de gênero ou sobre outro tópico, por exemplo, o trabalho) estão relacionadas a tentar ser um pouco mais semelhante ao que é mais apropriado, embora isso seja contrário à nossa personalidade.

Há situações em que a observação de outras pessoas pode ser positiva, como ajudar alguém a se tornar mais organizado ou acomodado. A tentativa de responder a expectativas irrealistas, sem escutar seu próprio corpo e suas necessidades, impede todo o sexo, o que dificulta a conexão de duas pessoas únicas, que também perturbam o humor e o orgasmo, como já dissemos

9. O aborto ocorre

Alerta de Spoiler. No sexo simples, sem muita comunicação, o "acidente" aconteceu.

As gravidezes indesejadas e abortos espontâneos são comuns na vida real (cerca de 1 em 10 mulheres já tiveram alguma forma de procedimento de aborto). Essas mulheres são pessoas próximas a nós – irmã, namorada, amiga – e quando uma mulher ao seu lado enfrenta essa situação, independentemente da percepção ou crença de todos no assunto, mostra que apoio, amor e compreensão são a chave para

, realmente não foi uma decisão simples de tomar.

10 O vaginismo não é dependente da vontade da menina

O vaginismo é uma disfunção onde os músculos da vagina se contraem violentamente e qualquer tentativa de penetração causa dor intensa. No senso comum, significa que esse tipo de dificuldade no sexo é sinônimo de nervosismo ou falta de calor e lubrificação.

A menina que vive sonhando com o dia em que perderá a virgem, encontra um parceiro que tem tudo a ver com ela, vê-se no cenário ideal e apesar de estar pronta para realizar o seu sonho, ele conhece dores terríveis sem para entender o porquê.

décimo primeiro É importante sentir-se aceito em sua fé

Sentir que não há lugar para você dentro de sua própria fé é uma das grandes dores das pessoas que cresceram em qualquer religião. Gays, lésbicas, trans, bissexuais e até homens e mulheres heterossexuais que não responderam aos padrões monogâmicos ou celibatários muitas vezes se desviam de suas crenças quando se tornam incompatíveis com a vida.

A educação sexual nos mostra como isso faz diferença para aqueles que cresceram com uma religião, se sentiu aceito e confortável em sua sociedade. Nos momentos difíceis da vida de uma pessoa, faz uma grande diferença saber que o templo é um espaço seguro onde se pode buscar forças.

12 Relacionar requer disponibilidade

Entrar em um relacionamento não significa apenas encontrar alguém compatível e celebrar o sindicato e o engajamento. O relacionamento também requer coragem e acessibilidade emocional. Isso significa deixar você vulnerável, com risco de quebrar o rosto e se preocupar com outra pessoa.

Nem sempre estaremos prontos para entrar em relacionamentos, o quanto esse cara ou garota que conhecemos recentemente é incrível. Se eu puder ser um pouco clichê, gostaria de citar Bauman. "A solidão dá incerteza, mas a relação não parece fazer mais nada" . Portanto, há momentos em que é necessário ficar sozinho, pensar mais em si mesmo e encontrar nossos monstros de uma só vez.

XIII Vingança pornô não é nem para o pior inimigo

Nem mesmo o pior inimigo. Este é um ponto importante no enredo. Nenhuma justificativa, não importa o quanto eles estejam nas colinas. Quebrar a integridade de outra pessoa, espalhando macarrão não só causa danos terríveis, mas também não alivia a frustração original de "vingança".

A educação sexual também nos ensina que quando uma situação se torna pública em um ambiente de comunalidade – seja na escola, na empresa ou na família da véspera de Natal – para minimizar danos, é mais eficaz falar sobre integridade, moralidade e tabu do que sufoque o caso.

A vida sexual também depende do emocional

O papel principal percebido da sexualidade se vê sem soluções na face e entende que é necessário olhar para a vida emocional de seus clientes, porque nem sempre são motivos físicos que perturbam o sexo

Poucas coisas sobre a nossa vida sexual dependem apenas do nosso corpo.

O que a série não ensina:

Eu amei a série, mas acho que é extremamente importante não perder duas coisas muito importantes como a série não aprende e falta-lhes muito.

primeiro Não é tão fácil e coisas que levam tempo

Estes são os dois maiores pecados da série. O menino, que conhece parte do trabalho de sua mãe, às 16h, já é um especialista que pode aconselhar todos os colegas da escola. A consulta dura 15 minutos e neste momento ele pode entender os problemas do colega e propor uma solução prática e precisa.

Vivemos em um tempo de imediatismo. Tudo no mundo é tão rápido que nos sentimos constantemente para trás, como se deixássemos de acompanhar os desenvolvimentos. Nós corremos mais do que nunca e parece que estamos cada vez mais longe de cumprir as nossas próprias expectativas. A ansiedade nos paralisa e a depressão é a maior doença incapacitante do século XXI.

Nesse contexto, a lição mais importante para o sexo vivo (e todos os outros aspectos da vida) é uma maneira mais saudável de trabalhar nossa necessidade de imediatismo. É importante parar e perceber que nossa cabeça, nosso corpo e nossas emoções têm seus próprios tempos e que devemos respeitá-los. Dificuldade de desencadear, embaraçoso para se masturbar, vaginismo, Nada disso é resolvido com uma indicação prática obtida após 15 minutos de conversa com um estranho .

A maioria das dificuldades que enfrentamos em seis são multilíngues – não acontecem por um motivo específico, mas por uma série de razões que se acumularam ao longo dos anos. Na terapia, pode levar alguns meses para identificar a raiz de um problema ou fazer um diagnóstico.

Embora exista um profissional para nos ajudar a trabalhar com esse problema, ele não apenas fornecerá uma receita mágica. Se somos indivíduos únicos e se todo problema ocorre de certo modo, por um conjunto de razões específicas para cada pessoa, cabe a cada um de nós combater a frente de nossos próprios problemas.

A solução de terceirização funciona mais como ação paliativa. Precisamos de profissionais para nos orientar, mas apenas com a nossa própria cooperação e vontade, ao custo de muito trabalho e tempo, seremos capazes de alcançar a raiz da dificuldade e curá-la diretamente na fonte.

7 dúvidas dos homens sobre pênis respondidas por um médico

Muito tempo atrás, eu queria escrever sobre o pênis para o Papo de Homem. Aqui estão vários textos sobre o assunto, como este, do editor, e este de Gabriella Feola, mas as dúvidas continuam nas conversas com amigos e nos e-mails que recebo dos leitores – e eles não são apenas sobre tamanho. Desta vez, incluiremos algumas perguntas e respostas sobre os órgãos genitais masculinos, uma espécie de FAQ (19459002) sobre o pênis e o escroto.

Antes de mais nada, devemos lembrar que a masculinidade hegemônica e o patriarca estão ligados a uma cultura falocêntrica, onde todos que têm uma vara estão certos, e quanto maior, melhor. Esse é um modelo que oprime as mulheres e dá muita ansiedade e insegurança aos homens, comprometendo sua auto-estima e impedindo o parto necessário para que o sexo seja conectado ao invisível.

As seguintes perguntas foram sugeridas por amigos, leitores. Outras perguntas são bem vindas nos comentários ou por email!

primeiro Em suma, o pênis é um conjunto de três "cilindros retráteis" dispostos em um triângulo invertido: dois corpos cavernosos no topo e um corpo esponjoso abaixo, dentro do qual a uretra passa. Quando há uma estimulação adequada para a ereção, os corpos cavernosos se enchem de sangue e crescem. A tunica albugínea, uma camada fibrosa que envolve os corpos cavernosos, para de comprimir as veias do pénis, impedindo o retorno do sangue e mantendo a ereção.

FONTE: https://www.anatomiadocorpo.com/penis/

This é a capa que muito raramente pode dobrar e "quebrar", geralmente sob um relacionamento sexual. A Fratura Peniana é uma emergência médica, que geralmente requer cirurgia, visando evitar efeitos como disfunção erétil, anormalidades permanentes e ereções dolorosas.

Fratura peniana é uma emergência médica, geralmente requerendo cirurgia, para evitar consequências como disfunção erétil, anormalidades permanentes e ereções dolorosas.

2º Por que alguns homens tomam o prepúcio?

O prepúcio é o "cabelo" que cobre o brilho e pode ser removido na infância por razões culturais ou religiosas – quando é mais conhecido como circuncisão. Outra causa comum de uma pós-ectomia (remoção do prepúcio) é a fimose uma situação em que a pele não consegue abrir o suficiente para expor o brilho que causa dor e infecções locais, às vezes recorrentes. parafimoses é, por sua vez, quando o prepúcio pode retrair e expor o brilho, mas não pode voltar e cobrir; A pele, então, aperta o pênis e causa dor e inchaço. Quando isso ocorre, é necessário procurar rapidamente um médico para aplicar gelo ou drenar o inchaço e, se necessário, realizar uma postectomia.

Alguns homens também buscam a remoção do prepúcio devido à higiene. O prepúcio deve ser lavado completamente no banho e a falta de higiene está relacionada ao risco aumentado de DSTs e câncer de pâncreas.

3 O prepúcio deve reduzir a sensibilidade? Pode doer sexo?

Depois de remover a tampa, o brilho fica mais sensível por alguns dias e depois volta ao normal. Com o tempo, a pele brilhante fica ligeiramente mais seca e a sensibilidade pode mudar, mas isso não interfere no prazer sexual ou na capacidade de ter e manter a ereção

. Esta questão é bastante comum, e sua resposta comum é que "Tamanho não é um documento"

Eu sempre entendi que era um documento de identidade, algo com dados, foto e assinatura que identifica alguém em uma comunidade. Hoje percebo como esse tipo de identidade não se encaixa em um contexto relacional complexo e essencial de conhecimento íntimo entre duas (ou mais) pessoas. O gênero não é uma boa apresentação, mas uma boa reunião.

Uma pesquisa americana de 1942, talvez a primeira no assunto, mostrou que o comprimento médio do pênis entre os adultos era de 13,3 cm, variando em 1,6 cm para mais ou menos. É importante notar que estas medidas, como nas pesquisas mais recentes, foram feitas com o pênis molhado, escalonadas pelo brilho até a máxima tolerância, e dada a distância entre a base e a ponta do órgão (não o prepúcio) [19659002] variam dependendo da etnia e região. Um estudo com crianças e adolescentes búlgaros publicado em 2010 mostrou que, aos 19 anos, a duração média foi de 9,46 cm, variando mais ou menos 1,12 cm. Depois dos 16 anos, não há ganho significativo de comprimento. Outra pesquisa com crianças e adolescentes, desta vez feita no Brasil e publicada em 2007, encontrou uma média de 14,5 cm (variando 1,6 cm para mais ou para menos) entre os jovens de 18 anos – uma área bastante razoável. [19659002] Para a medicina, as espinhas têm menos de 2,5 desvios-padrão da idade média – considerando 13,3 cm para um adulto, essa medida seria de 9,3 cm. A assim chamada micropenesia não é uma doença em si, mas geralmente sintomas de um ou mais problemas genéticos ou endócrinos – quando não é uma pessoa obesa e um erro de medição. O problema também pode ser diagnosticado na infância, pela observação dos pais, e o tratamento pode significar qualquer coisa desde a reposição hormonal até a cirurgia.

Ao falar sobre o tamanho do pênis, novamente se esquece que o sexo é um relacionamento. A colher (uma palavra que significa manto, o lugar onde uma espada é segurada!) É em média de 8 a 12 cm de profundidade e pode chegar a 15 cm quando a mulher é despertada. Nas fontes consultadas, várias médias foram levadas em consideração, mas o mais importante é que a vagina varia de acordo com a mulher, a etnia, a área do planeta e a relação sexual em si.

No sexo anal, ainda há outros problemas em jogo, como a dilatação dos músculos ânus, o reflexo de evacuação e a sensação de "vazio" do reto.

Falei com muitos amigos sobre o tamanho e eles me contaram sobre suas experiências e outros amigos. Dessas conversas eu tenho duas coisas: os homens se importam muito mais do que as mulheres com o tamanho do pênis, e o problema para eles é extremo – ou seja, o garoto preparado e o WhatsApp devem se divertir menos do que você . Claro, alguns homens e mulheres preferem parceiros penianos que são muito maiores que a média, mas tudo bem. Tem pessoas que não gostam que você tenha um cachorro, tem gente que não gosta que você seja coríntia, tem gente que não gosta do sexo que rolou – não dá pra agradar todo mundo.

Ao escrever este texto, um amigo poderia me dar a seguinte opinião: "A mulher gosta do cara onde o pênis está localizado. Escolher o tamanho, a circunferência, a cor, a textura, tem o vibrador. E o cara precisa saber o que fazer fazer com o negócio e não se envergonhar do negócio ". Ser um cara legal, um parceiro sexual carinhoso e não apenas se concentrar na penetração vaginal (veja algumas dicas para o bom sexo oral aqui e aqui parece ser mais importante do que a banda.

"cinco quilogramas, um centímetro" . Eu não acho que isso seja verdade, mas o excesso de cuidados abdominais e de enfermagem cobre o fundo do pênis, o que o torna visualmente menor. Posições podem contornar este problema e os aumentos de perda

De curiosidade, ouvi recentemente que alguns homens foram depilados em busca de uma "aparência maior". 6. Existe um autocontrole dos testículos, como autocontrole da mama? Primeiro, tanto médicos como cientistas questionaram o exame real da mama e da mamografia de rotina, já que produzem muitos diagnósticos falsos. [5] Dois mamíferos, dois Estimativas, uma preocupação: Descobrindo o Câncer Precoce

Especificamente, palpando seus testículos regularmente para câncer, o Grupo de Serviço Preventivo dos Estados Unidos, uma instituição americana que revisa pesquisas científicas para as melhores recomendações preventivas, diz que é moderadamente seguro que este exercício não é eficaz.

Sinta o seu saco e os seus testículos de vez em quando – não com vigilância, mas porque este é o seu corpo. Sinta o tamanho das bolas é semelhante. Lembre-se do epidídimo, uma espécie de "gordura" colada ao testículo, da qual o cordão une o abdômen. Veja se não há manchas, feridas, verrugas ou caroços na pele, e não há prazeres. Você achou outra coisa? Procure atendimento médico.

7 Minhas calças apertar para os homens?

Meu primeiro impulso é perguntar por que alguém usaria calças apertadas.

Nos homens, eles também favorecem candidíase (que geralmente resulta em leituras vermelhas e brancas e rachaduras no brilho ou prepúcio, com queimação e inchaço na vagina. / Ou coceira) e micose no morno. Calças densas apertam os testículos, o que é bastante desconfortável e os deixa mais quentes do que deveriam: os testículos devem estar a uma temperatura um pouco mais baixa que o corpo, para que os espermatozóides sejam viáveis. É por isso que a bolsa se estende quando está quente e encolhe quando está fria, embora também possa encolher em situações de medo ou vergonha – um reflexo para proteger os testículos de qualquer trauma.

Pense bem, os testículos são outra razão para os homens usarem saias.

* * *

Listagem do autor: Olá pessoal! Como todos sabem, sou médico e escrevo aqui na coluna Consulta a cada duas semanas às terças-feiras. 😉

A ideia é que nossa coluna responda dúvidas e questionamentos sobre a saúde humana mostrada aqui nos comentários, mas também monitoramos as buscas que dão acesso ao site (Google, a confissão da vida moderna) e, se não identifique-se, você pode enviar perguntas para o meu e-mail: aadmodesto@gmail.com

Abraços e até mesmo em 15 dias!

Luto do homem: como podemos entender a dor pelo relato de um pai que perdeu sua filha

Quando se fala de luto pela perda gestacional e neonatal, a reação hegemônica – a que todo mundo tem o ímpeto de fazer, sem nem pensar – é a de olhar pra mãe.

É ela quem perdeu um bebê. Se ainda na barriga, ou após um parto complicado, a atenção é quase que sempre e inexoravelmente para aquela que cuidou de uma vida em seu ventre por meses. Duas vidas em um só corpo. A fusão é natural na cabeça das pessoas. Perder uma criança no momento em que se espera ganhá-la é uma dor sem tamanho, uma dor sem nome. A dor de uma mãe que perde seu filho ou sua filha é mesmo inominável. Toda essa construção é justa e toda mulher precisa mesmo de um amparo grande no momento da dor e do luto. 

Mas essa é uma dor com dois lados.

O pai, por outro lado, costuma ficar esquecido. No seu canto, não é visto, nem como pai, nem como alguém que perdeu. Para si, absorve a cobrança de estar do lado de quem sofreu a perda, a mulher; de se prostrar a seu ombro e a seu serviço. Pega pra si o dever de ser o repositório de forças para a companheira. “Eu preciso estar do lado dela”, “eu preciso dar forças”, “eu preciso cuidar da minha esposa”. É ela quem está triste, perdida, desesperada. É ela quem teve a maternidade roubada por uma rasteira da vida.

A ele sobra o dever de ser o alicerce perdido, a sustentação do cuidado. Restam as tarefas, das mais cotidianas às mais perturbadora. É ele quem geralmente tem que resolver as burocracias, tem que lidar com enterro e cartório, que recebe os parabéns quando vai fazer a certidão de nascimento porque sem ela, afinal, não se pode ter a de óbito.

É ele quem filtra.

Um muro dado às intempéries de um luto não reconhecido recebe de tudo: tempestades, pedras, ventanias, corrosões. Um muro pode apodrecer e cair se ninguém cuida dele. Eu sei, porque aconteceu comigo.

“Você deve ser forte por ela” 

Como uma montanha: forte, dura e de difícil acesso.

De longe esta é a frase que mais ouvi depois que minha filha Joana morreu aos 6 dias de vida na CTI de um hospital particular na cidade do Rio de Janeiro. Depois de uma complicação no parto, os batimentos cardíacos da Joana pararam. Fizeram então uma manobra para retirá-la as pressas. Ela saiu azul e mole. O choro que todo pai espera escutar como a fundação de sua paternidade, eu nunca ouvi. Colocaram ela numa unidade intensiva ali mesmo no quarto enquanto tentavam reanimá-la. A entubaram e fizeram massagem cardíaca. Eu, de trás, dividia meu olhar preocupado entre uma médica com movimentos frenéticos em cima da Joana, fazendo sinal negativo com a cabeça enquanto umas 30 pessoas se empurravam naquele espaço não tão grande e a minha esposa, nua e ensanguentada, em um estado de torpor meio que sem ter, naquele momento, uma real noção do que estava acontecendo, sendo limpa e costurada por uma equipe de médicas, todas desoladas.

Quem viu isso tudo fui eu. Essas imagens vão ficar pra sempre na minha cabeça. Essas foram as minhas experiências, só minhas, de mais ninguém. Eu ali, comigo, tendo que lidar com o imponderável, sozinho. Mas, de uma forma geral, eu tenho um dever que é muito meu: ser forte por ela. De alguma forma, que ninguém consegue saber, deixar tudo de lado e cumprir a função de preservá-la e cuidá-la. “Você precisa ser forte por ela”.

Como enxergar a dor de quem, pro resto do mundo, não perdeu? Se não há o que perder, não há perda. É assim que o pai se isola em sua dor. Porque a ela está ali, dentro dele, acredite. Mas o que acontece, na maioria das vezes, é que nem mesmo o próprio pai a consegue ver. Ninguém vê. A família está toda para a mãe. Para ele só cabe a pergunta: “E aí, como ela está?”. É, ainda hoje, uma pergunta que ouço corriqueiramente, e que machuca muito.

Porque, para uma sociedade que não vê também a perda do homem, não importa muito como ele está. A não ser que seja pela mãe.

Durante a gravidez, numa pequena discussão com minha esposa, me confidenciei com uma pessoa amiga. A resposta foi a de que o centro de tudo era ela; e de que eu deveria me calar e só abrir a boca depois do parto. Some a isto várias outras situações durante a gestação que acabam introjetando no homem a ideia de que ele ainda não é pai e que só será após a vinda do bebê e fica fácil de entender o quão solitário é pro homem ter que lidar com o próprio luto após a perda. Porque ele será pai só depois, mas esse depois não chegou.

É numa situação como esta, que fica bem claro, o quanto o machismo também afeta profundamente o homem. O quanto essa sociedade o cobra por uma performance específica de masculinidade que, em muitos casos, o impediu por toda a vida a entrar em contato consigo mesmo, com seus sentimentos, que ditou a ele que ele deve ser forte e que uma das únicas formas de expressão afetiva e emotiva é através da raiva e da agressividade.

É uma dor invisível. Ninguém o vê. Ninguém enxerga a sua dor. Pense num cara que, de repente, quando acha que terá o momento mais feliz de sua vida, o momento em que lhe prometeram que ele viraria outro alguém, é obrigado a lidar com o pior. Se vê na responsabilidade de cuidar sem ser cuidado, nem por si mesmo. Quando a morte se interpõe no caminho idealizado do(a) filho(a), sem saber como lidar, porque nunca aprendeu, esse homem muitas vezes se cala, veste a personagem de fortaleza e segue sua vida sem atentar pro que acontece com ele mesmo.

Mas lá na frente ele estoura 

Só que estoura com raiva, o único sentimento permitido durante anos. Daí pra frente, dá pra imaginar o que fica no horizonte deste pai. Não é visto e nem vê, e sofre repreensão quando sua dor transborda (“Você deve estar forte por ela”, “Deixa disso, vamos beber que você acaba esquecendo”, “Para com isso, logo mais vocês engravidam de novo”).

Na crueldade do tempo que passa (e passa, e passa…), só encontra sua dor quando já há uma cobrança pela superação. A mulher mal se levanta, a família já cobra a andança, os amigos já estão certos de que tudo passou. E ele ali, ainda com sua dor. Sozinho. “Homem não chora” é o que ele ouviu por toda a vida.

É preciso dar visibilidade à dor masculina e paterna 

Tem um caminho bom para chegar lá

O homem também tem uma perda nesse processo. Perde o que não chegou a ter. Uma promessa, um desejo, um futuro. Ele perde muita coisa. Tanto quanto a mulher, porque não é uma competição de sofrimentos.

É o luto, próprio de cada um, expresso de uma forma única porque toda pessoa também é única. Eu cheguei a invejar minha esposa por ela ter tido o privilégio de ter carregado e sentido e se comunicado com a Joana por 9 meses. Mas ser mãe nunca será a mesma coisa que ser pai, e vice-versa. Há que se ter, de toda a sociedade, de toda a rede de apoio, de todos e todas ao redor deste casal, a compreensão de que por mais “durango kid” que seja o homem, por mais maiúsculo que seja o H dele, ele está em sofrimento também.

Mesmo que ele mesmo não o enxergue.

Os dois sofrem, de formas singulares. Cada ser é um ser. Singularidade é uma palavra linda. É preciso abraçar a dor do homem. Dar a ela a visibilidade que ela merece. Acolher este pai interrompido. Respeitar o seu tempo, só seu. Mas dar-lhe compreensão e suporte, que tanto lhe faltam. É preciso dizer a ele que ele é e sempre será pai. É preciso fazê-lo entender que sua dor tem um lugar pra se expressar, que ele pode senti-la, que ele pode ser amparado. Que seu luto é visto e reconhecido. Que sua paternidade, mesmo com a distância imposta pela morte, existe e é válida. Existe. Minha filha existe. Ela pode não viver. Mas ela existe. E assim, minha paternidade ganha também uma existência. Eu sou pai de uma filha que não está aqui. Porque a paternidade não tem fim. Nem a morte é capaz de dar cabo dela. É uma condição irrevogável.

Sou pai porque amo. Amo minha filha num amor que supera a vida e a morte. Hoje olho pra trás e consigo enxergar além da tristeza, que está e estará lá pro resto dos meus dias. Mas vejo que há obstáculos. Uma regra silenciosa que me diz como ser homem até na hora de sofrer. Uma incompreensão que se recusa a lidar com o tabu da morte. Há a solidão do homem que muitas vezes não tem ninguém ao seu lado, há a dor que será agora companheira por toda a vida. Por outro lado, há um novo mundo surgindo. Há novas formas de se exercer as nossas masculinidades.

Hoje, minhas fraquezas são o que me fazem forte. Minha sensibilidade é exposta a quem quiser ver (ou ler…). Há uma rede de homens e mulheres se apoiando e se repensando. Há iniciativas que buscam lidar com o luto de forma aberta. Uma das maneiras que achei pra ressignificar minha experiência de luto foi construir o SOMOS – Apoio ao luto, um projeto de rodas de conversas para homens enlutados. Há maneiras de não estar sozinho, de se respeitar o sofrimento que está lá. Mas mesmo que esse homem não veja, acolha-o, abrace-o, compreenda-o, legitime-o. Você está falando com um pai, alguém que ama para além de tudo.

O que faz de alguém um pai? Me disseram que eu me tornaria pai quando a tivesse nos braços. Só a consegui segurá-la já sem vida, na minha despedida. Não foi este o momento em que me tornei pai. Foi antes, quando no CTI eu passei a rezar muito pedindo pra toda e qualquer forma de divindade pra me trazer a minha filha de volta, não importasse a condição. Num desses momentos, minha esposa comigo ao lado, Joana cheia de tubos e conexões, dentro de um cubículo sem se mexer, minha esposa pegou na mão dela e ao contrário das expectativas sua mão fechou parcialmente no dedo grande da mãe. Eu olhei pra tudo aquilo e foi como uma explosão de entendimento ainda inexplicável: parei imediatamente de pedir por mim, passei a pedir por ela. Pedia que houvesse o que houvesse, que acontecesse o que fosse melhor para minha filha. Que não importava o que eu e a mãe sentiríamos, mas que importava acima de qualquer coisa o que era melhor pra Joana. Um dia depois ela se foi.

O que faz um pai ser um pai é quando a gente entende que o amor pelo filho supera qualquer outra coisa nesse mundo. Aprendi isso com minha filha.

Eu sou pai. Me tornei pai na existência de Joana. No amor por ela.

O amor me faz ser quem sou hoje. “Eu te vejo, pai”. Passei a ouvir isso com mais frequência e de várias formas diferentes. Hoje não permito me negarem a minha paternidade, porque a vida e a existência da minha filha não se resumem aos seus últimos momentos. Joana foi concebida muito antes da sua concepção. E a existência dela me transformou definitivamente.

Esbarrei depois de uns meses com uma frase que li no livro de Viktor Frankl com o sugestivo título “Em busca de sentido”: “O amor é tão forte quanto a morte”. Hoje, com a minha dor e minha paternidade, eu digo: “Talvez até mais”.

Cuida do meu que eu cuido do seu? Como compartilhar o cuidado com o sexo com mais parceria

"Cuidamos do sexo tantas vezes como se fosse algo individual e pontual:" Eu me cuido "," uso camisinha "," tomo a pílula na hora certa ". Raramente paramos para reconsiderar o cuidado, e quando o fazemos, podemos chegar à velha conclusão: "Eu tenho que cuidar melhor de mim mesmo." Na verdade, raramente paramos de pensar sobre o que é o cuidado com o sexo. "É sobre se preocupar com ele? Mais do que nunca, no início do século XX, ocupado, exaustivo, muito tem sido dito sobre a importância do autocuidado, como prestar atenção a si mesmo e suas próprias necessidades são essenciais para manter a saúde mental. Mas quando falamos em cuidar de nosso sexo, além da assistência médica, precisamos pensar em como nos dividimos, quer seja casual ou em um relacionamento estável.

Como podemos melhor compartilhar nossas necessidades, prestar muita atenção e considerar as necessidades? do outro? [19659003] Podemos começar com um simples toque, como o parceiro seria movido? Onde e como é mais quente? A propósito, o que te incomoda? Aparece no dicionário, a palavra Caring apresenta sete sentenças e eu as transformarei nos 7 mandamentos de cuidado compartilhado:

1. Tenha cuidado, execute ações que protejam e / ou curem o outro,

2. Preste atenção, observe as reações e sentimentos do outro,

3. Pense nos sentimentos do outro,

4. Estar interessado em estar disposto a compreender processos, sentimentos e sentimentos de parceiros e parceiros,

5. Imagine adotar, em vez do outro, não apenas compreender emoções e emoções, mas antecipar e propor soluções,

6. Cuidado previne usando todas as medidas para proteger ambos,

. Tenha a ordem de;

Compartilhando mais cuidado diariamente: assumindo responsabilidade com o parceiro

Quando colocamos nossos 7 lances no cuidado na cabeça, podemos pensar em como agimos em situações diferentes [19659016] Perguntei a algumas pessoas como eles compartilhavam seus cuidados sexuais com seus parceiros. As principais respostas foram:

  • "Eu sempre compro e carrego o preservativo comigo"
  • Às vezes o menino lembra o parceiro para pegar a caneta
  • O menino se encarrega de comprar a pílula para o parceiro e também se lembra de levá-la "

Preservativo e contracepção Estas podem ser as primeiras coisas que vêm à cabeça de todos, mas ver Tuy e Biel foram um casal há sete anos, e eles têm um canal no Youtube (Sensualise Moi) para falar sobre sexo, amor e seis relacionamento e falamos "

Para Biel, é preciso" transformar esses assuntos que são cotidianos em negócios cotidianos reais "porque isso faz com que a relação" eu me sinto responsável por esses problemas e eu acho legal que eu saiba que absorvente ela usa, a marca que ela prefere, porque se ela precisa de mim para fazer compras – nós estamos juntos há 7 anos – eu preciso saber o que ela está fazendo sem perguntar. "Youtubers e consultores sexuais dizem que eles falam muito e que Eles não compartilham cuidados de rotina sobre o ciclo menstrual. De acordo com Tuy, "Biel sempre sabe quando eu estou menstruada até que possamos ter controle sobre quando comprar outra carta contraceptiva" e Biel diz que está olhando as datas para ajudar seu parceiro: eu não passo por isso, mas tenho que fazer melhor para tornar este momento mais confortável para ela. "

Neste texto reunimos algumas pessoas para repensar, em tempos de homens possíveis, maneiras de compartilhar o cuidado com um certo professor meu sempre disse que" pode parecer óbvio, mas é claro que você tem que dizer. " 19659012] Se você cuidar da higiene pessoal, cuide do seu parceiro.É para considerá-lo e assumir a responsabilidade por certas ações.Quando usar os dedos para penetrar no seu parceiro ou parceiro, é importante que suas mãos estejam limpas, com unhas curtas e Bem moído, isso evita pequenas contusões que provocam infecções e desconforto. Lave as mãos antes e depois da micção e lave o pênis (ou vagina) com água e sabão, seque-o após o banho e após a micção não é apenas "frescor", mas uma maneira de prevenir o crescimento de fungos, e cuidar tanto de sua saúde sexual quanto de outras doenças humanas.

Contraceptivos

Para homens, o método de contracepção que está disponível no mercado é O fotógrafo Gustavo Paixão, de 31 anos, diz que sempre se sentiu responsável pelo custo do preservativo (ou pela pílula matinal quando necessário).

Sabemos que você sempre usa preservativo e usá-lo é importante, mas é possível reconsiderar com mais cuidado como o usamos. Ter uma atitude ativa em colocá-lo, usá-lo do começo ao fim, sem esperar que o parceiro ou parceiro se manifeste e cubra é uma forma de cuidar, considerando ter atenção e ser responsável. Esperar que a outra pessoa faça a demanda está, por outro lado, colocando o fardo mental de parar de agir, exigindo o uso sem quebrar o clima, e na pior das hipóteses dando-lhes o trabalho de justificar o pedido e negociar o uso.

Há necessidade de outros anticoncepcionais masculinos, como "pílulas masculinas" ou gel vascular (uma injeção que forma uma barreira nos vasos de transporte de espermatozóides), embora a maioria dos contraceptivos internos seja direcionada às mulheres, é possível que os homens compartilhem uma maior responsabilidade sobre eles. .

Se o uso de contraceptivos hormonais na década de 1950 representou uma oportunidade de independência para as mulheres, percebemos hoje que deixamos toda a responsabilidade e as consequências da contracepção interna na mulher é uma forma de congestionamento.

Vários meninos responderam que eles às vezes lembram seus parceiros de tomar pílulas anticoncepcionais, mas, A idéia é que ambos tenham um despertador na hora certa, que essa memória é a responsabilidade diária de ambos (sempre como uma forma de parceria e não para coleção).

Outra sugestão é que o homem tenha a pílula de uma namorada sempre com você. Tuy diz que Biel carrega um cartão contraceptivo dela em sua mochila desde o início do namoro, se ela esquece.

Além disso, contraceptivos hormonais têm efeitos colaterais – podem causar úlceras cervicais, humor e libido – e, portanto, aqueles que precisam realizar consultas de rotina, exames de imagem, diagnóstico, tratamento e retorno para acompanhamento. Além desse processo, um custo econômico (consulta, remediação, deslocamento), tem um ótimo cronograma, se encaixa no horário de trabalho, se movimenta, exames de agenda, espera por resultados, etc. – e o esforço mental usualmente colocado apenas por mulheres. Tuy e Biel disseram que, para eles, a contracepção nunca foi uma "questão da mulher", é sobre aqueles que fazem sexo, então Biel também se responsabiliza por lembrar a parceria dos exames de rotina.

Injeções Hormonais

Elisa Albuquerque, 26, é casada há três anos, mas está com o parceiro desde os 17 anos de idade. Ela diz a ele que foi o marido que a lembrou de voltar ao médico a cada três meses para tomar a segunda dose da injeção de hormônio e que ele sempre a seguia, pois era comum ela ficar doente depois de injetar a injeção

. Quanto à disposição do cônjuge para acompanhar e participar da contracepção, Elisa diz que é algo que "tira de nós, porque parece que só as pessoas precisam se preocupar com isso".

DIU

Diu, por exemplo, é um método de longo prazo, com duração média de 5 anos. Aparentemente, visto e pronto, não teria tanto quanto compartilhar ou compartilhar. No entanto, a localização pode ser complicada e você também precisa fazer imagens regularmente para garantir que não escorregue. Neste caso, o parceiro pode ajudar, seguindo, estando ao redor e descartando, como o posicionamento pode causar queda de pressão ou tontura. As convulsões que acompanham o procedimento também podem ser fortes e vão pedir para alguém tomar remédio, chá, comida.

Como PapodeMomem publicou recentemente, se você é pai de uma menina e monitora de perto as filhas, os homens ajudam a ter uma perspectiva de gênero, podemos dizer que olhar mais de perto o contraceptivo de seu parceiro também ajuda os homens a entender melhor os problemas reprodutivos e os problemas que afetam mulheres.

Também compartilha escolhas, porque não "

" Eu acho interessante que Biel dê uma dica do método que vamos usar ", diz Tuy, que pensou em parar a pílula.

Os efeitos da contracepção, há três anos, Elisa queria parar de usar métodos hormonais, ela tomou a decisão de seu marido, porque ela sabia que isso afetaria a vida do casal, inserindo o preservativo no relacionamento.Elisa aponta como foi positivo não apenas tê-lo apoio verbal de seu marido, mas para ver que ele realmente se importava em assumir responsabilidade e garantir que não houvesse risco no relacionamento.

Prevenção

Gustavo diz que, embora se preocupe para sempre com um preservativo, nunca foi ao médico com seus parceiros para exames de rotina ou preventivos.

"Eu não prestei atenção a isso", ele diz sobre a necessidade de fazer exames preventivos ou testes. STI com um parceiro. "Eu não acho Eu precisava se preocupar [testes de prevenção] apenas quando eu tinha relacionamentos com quem eu não sabia. "Se acompanhando seu parceiro para exames ginecológicos de rotina, ele diz que ela era mais responsável do que a minha. Eu também acho que para eles ainda era uma pena levar o parceiro em uma consulta. "

Gustavo diz que chegou a entender a importância do teste preventivo para o cuidado da vida sexual a dois depois de se juntar a um grupo do Facebook que discute questões de vida sexual.

Tuy diz que no caso dela, é Biel, que sempre a acusa de fazer os exames ginecológicos de rotina e que, pelo menos uma vez por ano, fazem os testes DST e VIH / SIDA e, quando o fazem, os dois Youtubers encorajam frequentemente as pessoas nas redes sociais a Faça o mesmo e entenda a importância da prevenção.

Compartilhando Cuidados na Gravidez

Hoje, Elisa está grávida de sete meses e diz que todo o processo de compartilhamento de anticoncepcionais de forma mais participativa fez uma grande diferença no relacionamento do casal. dividido, ele se importa muito, hoje ele sabe que também faz parte dessa gravidez. Além de mostrar grande respeito, mostra muito mais do que ele entende nosso papel no relacionamento. "

Elisa diz que um elemento era importante para essa relação. Quando você tem uma situação e se sente mal, ou não me sinto bem, ou se meu psicólogo está mais abalado com hormônios, você tem duas frases que fazem uma grande diferença. , ele sempre me pergunta "Como eu posso te ajudar? Como podemos resolver isso juntos? "

Por fim, o discurso de Elisa nos ensina uma coisa: podemos fazer várias sugestões para compartilhar o cuidado aqui neste texto, mas nunca haverá uma fórmula que se aplique a todos os casais. O convite que fazemos com todo o texto é que sempre nos dedicando a reexaminar nossos relacionamentos e a encontrar maneiras de compartilhar melhor o nosso sexo, e para melhorar as bases do diálogo sobre isso, há uma ponta nos 7 mandamentos do cuidado: agir com cuidado, estar atento, considerar o outro, ter Interesse real, colocando-se no lugar dos outros, tomando precauções e assumindo a responsabilidade

Se você teve um momento em que reconsiderou o cuidado compartilhado com o sexo, ou se ainda o tem, diga-nos: O que mudou? você começou a se preocupar? Como foi o diálogo sobre o assunto?

O PdH foi ao 1º Grande Encontro Homens em Conexão

É muito comum ouvir que os homens sentem-se muito à vontade com seus privilégios e não estão interessados ​​em mudar nada, que o mundo como é já é suficiente para eles.

Aqui no Papo de Homem, nosso discurso é geralmente bem diferente disso. Nós vemos muitos homens diariamente que querem ver um mundo melhor e acreditam que ele se transforma, aprende a ser mais empático, compassivo, generoso e claro.

Em outubro de 2018, a equipe do Papo de Homem viajou por todo o Brasil para ver isso acontecer na prática.

Lá, durante os dias de 19, 20 e 21 de outubro, seria o 1º grande encontro de homens em conexão, um encontro nacional para reunir grupos de homens de todo o Brasil. 100 homens de todos os estados brasileiros e até do exterior, unem o propósito de cultivar a masculinidade consciente, como afirmam.

"Nossa tarefa é incentivar a conexão consciente entre os homens com uma linguagem nova e espontânea, criar um espaço de confiança, força e amor para proporcionar a cura."

Men in Connection veio com a primeira ambição de ser um grupo de estudo no documentário A Máscara Viva Através do Whatsapp, mas também para unir diferentes grupos de homens que já existem no DF, como a Casa dos Homens, o Guerreiro Ajudante, o Clã Lobos do Cerrado, Masculinidades e Diamantes.

O evento é uma manifestação desta missão e uma maneira de expandir ainda mais as sementes do propósito do grupo.

Quando chegamos ao aeroporto e entramos em contato com outros membros para organizar os grupos de caronas, já era possível sentir o clima do evento.

De lá pegaríamos a estrada até Refúgio Cristão, local do evento, localizado a 40 km de Brasília.

No caminho, o GPS não marca exatamente a entrada do site, que era muito pequena e escondida. Então passamos a entrada, nos perdemos e demoramos muito mais do que o esperado. Uma viagem que seria feita em menos de uma hora acabou nos custando cerca de 2 a 3 horas, entre a chegada e a viagem e parando de tentar nos encontrar.

Chegando ao Refúgio Cristão à noite, o lugar era muito bonito com bastante verde e longe o suficiente para ouvir o caminho. Isso, em combinação com a ausência de sinal de celular e o sentimento era entrar em um retiro.

Depois do jantar e da primeira força motriz que se juntou aos grupos tribais (como eles chamavam os grupos que acompanharam todo o evento), começou a cerimônia de abertura, que já dava o tom para o que o resto do evento seria. Eles acenderam uma fogueira e então começamos a cantar algumas músicas domésticas. Depois disso, 4 participantes foram convidados a se tornarem retardadores de chama. O fogo continuaria a queimar até o final do evento, representando essa masculinidade interior de todo homem presente.

No dia seguinte, pudemos nos inscrever para uma variedade de workshops. Havia dinâmicas em línguas diferentes, mais misteriosas, como abordagens envolvendo animais de poder xamânico, algumas mais artísticas com aspectos de narrativa e jornada de herói, outras ancoradas no mundo concreto, como uma lidando com economia, corpo, como a de TRÊS (Terapia de Libertação de Trauma).

Eu, considerando-me um sujeito mais teimoso, decidi desafiar-me participando de abordagens menos discursivas, como a ERT e outra constelação sistemática. É impressionante notar como existem outras maneiras de acessar camadas emocionais profundas do que apenas o processo discursivo de terapias "regulares". Fiquei muito impressionado.

Estas oficinas também foram acompanhadas por momentos mais calmos, como corridas de caminhadas / ermo, banhos de rio e sessões de meditação ativa.

Um dos momentos mais potentes do evento foi o que eles chamavam de roda do coração. É um púlpito que eles colocam diante do público que é o maior público do evento. A iluminação, em tom avermelhado, é bastante forte e colocada atrás do público, de modo que na frente não se pode ver os rostos de quem vê, apenas as silhuetas. Então, todos devem ir ao seu próprio tempo para o púlpito e dizer algo em linha com "Meu nome é assim e assim, e se você realmente me conhecesse, você saberia …"

O que ouvimos foi um seguido de histórias profundas e narrativas da vida que nós, acostumados ao segredo e à superficialidade, jamais imaginávamos vindo de homens que estavam ao nosso lado, muitas vezes sorrindo e brincando.

É algo parecido com o que vemos, é muito semelhante a como vivemos, escondemos feridas e traumas com piadas superficiais. Claro, ninguém precisa viver em uma situação dramática o tempo todo. Brincalhão é um aspecto maravilhoso da vida e traz grande alegria. Mas os homens, como criaturas que seguem uma dureza e isolamento emocional, certamente usariam as oportunidades para se abrir conscientemente assim.

As fotos que se seguiram para mostrar a alegria

Para nós, os homens em conexão foi uma experiência muito intensa que tocou em algumas mudanças internas que foram acionadas. Foi muito interessante ver outros métodos quando se trata do jeito masculino de fazer. Também foi muito bonito ver como uma semente parou de plantar e vários homens se comprometeram a formar outros grupos nos lugares onde estão.

Também queremos agradecer o convite de Fernando Aguiar e de todos os membros do comitê organizador, Paolo Chirola, Fábio Barros, Leonardo Figueiredo, Virgílio Andrade, Ebert Duran, Paulo Amorim e Rafael Gonçalves. Obrigado pela experiência incrível!

Saímos inspirados, cheios de novas idéias, com energias e crença na missão do renovado PdH.

Esperamos estar lá novamente em 2019!

Para mais informações sobre o Men em conexão, visite o site oficial e assine o boletim informativo. Lá eles avisam as notícias e você também pode se preparar para a próxima reunião.

Entre parcerias e reatividade: conexão e violência em relações românticas

Material de aquisição relacionado ao contrato, seja ou não com relação a negociação e resolução de conflitos.

O termo termos muitos problemas com que se voluntariamente escolher está próximo e compartilhar boa parte do nosso tempo? , bem como no caso do mercúrio. Além disso, os dentistas são responsáveis ​​pelas externalidades dos auxiliares externos, especialmente no caso de ensaios de qualidade, principalmente no caso de pacientes que dependem de emancipação. Ou seja, que o seu estado emocional esteja facilitado e que as ações alteradas de inceça do parceiro sejam atualizadas. . O alcance das possibilidades e até que ponto os resultados se baseiam nos constructos, transformam e relançam a causa dos atritos

Ele manda uma mensagem para você e para o amor. Ele é responsável por uma informação importante e você chora na cama. The annoying critics algo que você fez de errado, uma comédia de agressão com compreensão, você devolve mais forte. Se você quiser mudar as idéias de cada evento, você será solicitado a deixar para o próximo dia. Ela de mau humor se fecha, um frustrado não é capaz de fazer o clima ficar pior ainda. Mentões mentais e instabilidades emocionais são procuradas por ajuda ou por afastamentos. Se você tiver dúvidas ou preocupações sobre o seu caso, entre em contato conosco para obter mais informações, ou se você não tiver certeza sobre o que fazer, se precisa ou não, precisa saber o que está procurando.

Conexão e Conversa

O número total de páginas é baseado no número de conversões que são deixadas de ter durante uma relação. É por isso que os certificados são emitidos com base no qual as faturas são emitidas negativamente, bem como no caso de itens não verbais, se houver. Não há dúvida de se o logotipo é ou não mencionado como um assunto que será afetado pelas conversas. Como uma habilidade, é também o caso que as conversações são contra-indicadas em relação, ela tende a ficar afgil. O mecanismo de busca agora está debatendo o resultado de uma discussão incompleta de dados improvisados. tivessem sido mencionadas, nunca foram considerados um problema. Uma discussão sobre eles é um problema, mas é difícil de ser revelado.

Quantas vezes sobre o tópico da forma como se pode dizer "estou vendo! Estou frustrado, se importe!". Como canal de comunicação direto e honesto com o outro, sobram apenas crianças e jogos

Sobre a análise: violência

Como de costume, a "irritação" refere-se a eufemismo para a violência. Sobre triste exemplo de fila freqüente por coisas pequenas "não sei o que fazer com o milho, oh ee odeio!"

Emoções são como perturbar, ir ao vivo em você, ou pior, em outras palavras, despejá-las em você. Não é coincidência que o Brasil da mais alta taxa de violência doméstica do mundo. Os temas relacionados ao uso de pilotos são violentos.

Fones de uma cultura em que se lida com os prazeres e quebra de expectativas com controle e violência. Nosso modus operandi é esse. "Se você tiver algum problema com isso, então você está aqui, pode encontrá-lo ou pode fazê-lo".

querido, isso é correto e fazer! " é considerado o normal

Qual a nossa base? Papéis vs. Parceria

Dental como pessários relacionados ao piano, santo que a maioria, a forma sutil e inexplorada, não tem como prioridade ser feliz e criar parcerias. General to the resolver and relationship server for internal services

Quase a fazê-lo através do modelo mental de relacionamento deveria ser o mesmo que eles não estivessem envolvidos. Oi duas tentativas que podem surgir daí. Uma das quais os modelos mais recentes são claros para quem os detém. Se você quiser se livrar dele, você terá que recuperar a mesquinha.

A disseminação da vírgula: "oi, não é o mar seu íntimo mas eu acho que é vaga essa minha história na minha Não é isso que é necessário para cumprir com toda a sua demanda? "

Ao contrário de:" oi, de Se você quiser ir para a próxima página, vá para a próxima página ou vá para a caixa ao lado do outro. (19659002) O primeiro cenário espera o cumprimento de um papel. O segundo convidado é sero a experiência, uma dança, uma parceria existencial. Um exemplo é a possibilidade de acessar o cadáver disponível, para que ele possa ser obtido usando o nome, que é o mesmo do estudo de caso, se o arquivo for filmado com a finalidade de transferir os dados para o importante. Você pode ver se os arquivos são usados ​​para criar dados que não são suportados por um arquivo que se parece com o papel que você está usando "namorada", que se destina a funcionar como um modelo. com quem você quer se relacionar? Com uma faceta, a visão é montada e completa? Oh olhe inteiro não só namora. Sobre o ser algo imenso.

Minhas 5 maiores roubadas automotivas | Garagem #13

Se ainda estamos animados de férias e notícias em novembro, é em dezembro que sentimos que o ano está realmente terminando. Agora, em janeiro, nada melhor do que olhar para o passado, afinal, é assim que você entra na nova era, o ano novo. Como o assunto aqui é carro e moto, conto as cinco maiores plataformas que já passei em quatro ou duas rodas.

É assim que aprendemos com frequência de verdade. Lavandaria

Meu primeiro carro comprado zero km era um Corsa

Eu sempre fui um cara muito ciumento com meus carros. Imagine com o primeiro que eu poderia comprar zero km. Foi uma bela Corsa Hatch, uma grande conquista na minha vida a partir daquele momento. No começo eu me lavei, depilei a cor. Isso sempre o deixava limpo e leve. Mas devido à falta de tempo, eu tive que levá-lo para lavar um lava-rápido aqui na cidade um dia. Eu saí com o meu coração na mão. Eu nunca gostei de deixar minha queridinha ou garçonete. Imagine uma tarde em todos os lugares

Depois de ter o conselho de alguns amigos, decidi tirar tudo que eu tinha do carro antes de lavá-lo. O que era basicamente perfume, chicletes, moedas, óculos de sol e uma dessas pastas com CDs (sim, as pessoas tocavam CDs de carros recentemente). Olha, essa pasta estava no porta-luvas. Exatamente no meio da estrada, a rua principal da cidade foi completamente parada com o comando da polícia. Quando o trânsito diminuiu, abri o porta-luvas e adivinhei: não há nada.

Nem mesmo o documento de foto.

Suando mais que chaleira, imaginei que meu carro estava guinchando, que eu revistaria a fazenda e passaria por todos os procedimentos legais cansativos. Mas para o meu enorme destino e fazer a cara mais inocente do mundo, eu não fui parado e pude deixar o carro para lavar. Foi alguns segundos, mas durou para sempre.

Lição: Sempre verifique se você tem os documentos do seu carro e a carteira de motorista antes de sair de casa. Uma boa dica é deixá-lo com o celular, porque é certo que ninguém esquece.

2º O primeiro caso da motocicleta

O guerreiro Dafra Citycom

Já o ditado vai como a primeira vez que nunca esquecemos. Meu primeiro tambor de bicicleta foi bem lembrado por um longo tempo. Naquela época, testei uma motocicleta para um portal de notícias. Uma das coisas legais era fazer uma viagem de teste, para que eu pudesse conhecer melhor a moto do que fazer belas fotos.

Meu roteiro estava prestes a sair de São Paulo para Socorro. Uma estrada que é conhecida por ser bonita e cheia de curvas. Montando um Scooter Citycom Dafra, fui dar uma volta, fui muito devagar e desagradável para chegar. Olha, no meio de uma curva, antes mesmo de dizer "ai", eu rolei no asfalto e vi a motocicleta correndo como o fazendeiro na própria casa. Felizmente, fui para o lado da moto com a moto para o lado da pista. Sabendo que eu estava seguro lá, fiz o procedimento mais adequado, que é ficar quieto e mover gradualmente as pernas.

Antes mesmo de começar a me mover, um carro na direção oposta já havia parado e o pai perguntou ao filho: "Ele está morto?"

Subi sem entender muito bem o que aconteceu primeiro e depois vejo uma colocação de óleo quase transparente na pista, o que acabou por me surpreender. Porque estava bem equipado, eu não tinha nenhum ferido. Ele acabou de destruir parte da luva e uma lágrima dolorosa no novo capacete. A moto, apesar da grade, ainda me levou ao destino sem problemas.

Lição: Preste sempre atenção e preste atenção à sua atenção em lugares desconhecidos. De acordo com especialistas que consultei, o cheiro de óleo poderia ter me salvado de cair. Portanto, mantenha sempre todos os seus sentidos.

3 A irmã presa em Gol

Naquela época, a maioria dos carros eram duas portas

Por muitos anos minha mãe tinha uma Diretoria Geral com duas portas chamadas "pelota" e lá fizemos vários passeios. Neste momento, minha irmã tinha pouco mais de dois anos e viajou no banco de trás de uma cadeira alta. Quando chegamos em casa, saímos do carro, minha mãe e eu – detalhe: ela deixou a chave no contato. Desci o passageiro e tranquei o meu lado, que neste carro fez as duas portas trancadas e silenciosamente fechou a porta. Claro, não sei que a chave estava em contato. Logo minha mãe vai tentar abrir minha porta e nada.

Em suma, trancamos o carro com a chave e minha irmãzinha dentro.

Não demorou cinco minutos para os vizinhos perceberem a situação cómica / desesperada e tentarem ajudar de alguma forma. Logo a rua inteira estava ciente do que havia acontecido. Houve também um motociclista que disse que sua chave Gol abriu todo o Gol. Mas nós não queríamos verificar a chave milagrosa.

Depois de muito tempo para fazer gestos e "conversar" com minha irmãzinha, ela entendeu que estava esticando o braço e puxando o bastão e literalmente resgatando. O alívio foi geral.

Lição: Nunca bloqueie as portas do carro antes que todos os passageiros tenham saído do veículo. E também tenha cuidado com as chaves que abrem todas as portas.

4 A multa que se tornou barata

A pequena mas notável Crypton

Esta história é também da época em que testei motocicletas, mas para uma revista especializada. Depois de uma longa semana de trabalho, tudo o que eu queria era apenas voltar para casa. Mas imagine São Paulo, numa noite de sexta-feira, com muito trânsito e chuva. Dos ciclos de teste disponíveis, a Yamaha Crypton foi a escolha perfeita para esse cenário. Assim que liguei a moto notei a luz de reposição acesa. Mas, na minha pressa, achei que seria suficiente voltar para casa e reabastecer apenas no sábado.

Quase chegamos decidi "cortar" a estrada e fazer uma conversão proibida, porque o trânsito estava parado e eu queria chegar lá em breve. Quando comecei a conversão, ouvi "a sirene da polícia" Uooounnnn "que eu não tinha visto antes.

A polícia me perguntou:" Qual moto é essa? "Respondi à minha resposta mais inocente:" É da Yamaha. Minha grande sorte entendeu a polícia assim que ele viu o documento em nome do fabricante e tudo correu bem.Eu assinei a bem merecida multa e ele seguiu o caminho.Quando eu comecei a moto a sair, o gás acabou, o que serviria mais de uma vez e o divórcio. O jeito era levar a moto até o posto de gasolina mais próximo, debaixo de chuva forte, onde estava toda a caçarola, eu peguei um cheesecake, ganhei dez reais e finalmente cheguei em casa. e respeitar as leis de trânsito

5. Uma das poucas fotos da van alugada utilizada na viagem

Anos depois de todas as plantas perenes acima, voltei a morar no interior de São Paulo, e no final do ano tinha um bom amigo por mim a idéia de alugar uma casa na praia para passar a véspera de Ano Novo. Sim, era uma casa grande para oito pessoas. Deveríamos ter ficado por vinte, mas isso é apenas detalhe. A cereja no topo do bolo seria a viagem. Haveria dois carros, uma motocicleta e uma van.

Além de economizar no alojamento, alugamos uma van e compartilhamos o custo em 9 pessoas. Nada como uma boa economia, certo?

Uma viagem regular, da minha cidade até a costa, leva de três a quatro horas, por São Paulo. Mas era véspera de Ano Novo, e claro que iríamos para o pior dia e voltaríamos no segundo dia com o resto do estado. No final, eram quinze horas por estrada e um infinito de vinte horas para retornar . Às vezes Kombosa parecia mais uma sauna ambulante, ficava ao sol e no trânsito. Era dias chuvosos – claro que choveria na praia – onde os copos estavam embaçados e os gritos eram uma tentativa geral de limpar as janelas do motorista.

Lição: aventura que você pode viver hoje. No início dos anos vinte, pode ser uma aventura ir de um carro para a praia. Aos trinta anos será um martírio.

Nem tudo foi flores e nem todos os trabalhos reais parecem um Instagram de famosos. Mas só quem não sai não tenta correr riscos. Todo esforço foi um aprendiz que tive que aprender e não andar de novo.

Em particular, tive duas grandes alegrias e conquistas pessoais em 2018: fiquei noiva e comecei a escrever aqui para a PapodeHomem.

No ano de 2018 eu tive duas grandes alegrias e conquistas pessoais: 19659002] E lá do outro lado o leitor?

Aposto que você tem várias histórias para contar! Nos vemos nos comentários e no próximo!

DERMACAPS – É TUDO ISSO MESMO? [A VERDADE!]

DermaCaps Funciona Mesmo? – Neste artigo eu vou explicar tudo o que você tem que saber. Basta ler tudo e ficar por dentro do artigo. Então, me acompanhe…

A maioria das mulheres está preocupada com o seu corpo e sua saúde, eu sempre quis ser magra, mas a minha genética não me ajudava.

Ter um peso equilibrado ajuda você a ter mais saúde, melhor autoestima e melhor desenvolvimento em atividades físicas, a gordura corporal não só atrapalha a nossa aparência, mas também prejudica nossa saúde.

Pensando nisso, encontrei a melhor capsula para emagrecer do mercado e vim compartilhar com você tudo o que descobri utilizando o DermaCaps, se você quer saber, continue lendo.

DERMACAPS

botão quero comprar

O que é o Dermacaps?

São capsulas com ingredientes totalmente naturais, extratos de plantas, vitaminas e tudo o que o seu corpo precisa para funcionar bem e não acumular gordura corpora.

Além de tudo, ele tem um composto totalmente natural, ele tem sido usado para diferentes propósitos, não só para emagrecer, mas também para melhorar a elasticidade da pele, fortalecer os cabelos e as unhas.

Muitas pesquisas descobriram também que este composto e suas propriedades resultam em diferentes reações que podem proporcionar benefícios ao seu corpo, reações totalmente positivas, sem efeitos colaterais.

Benefícios Dermacaps

Estudos determinaram que este extrato dá muitos benefícios ao seu corpo e nós os listamos abaixo:

  • Promove saciedade, diminuindo a fome e fazendo com que você coma menos
  • Fortalece as unhas e os cabelos;
  • Melhora a elasticidade da pele;
  • Fornece colágeno para a pele;
  • Acelera o metabolismo;
  • Elimina a gordura localizada;
  • Elimina a celulite;
  • Sem efeito rebote;
  • É anti-inflamatório;
  • Elimina a retenção de líquidos;
  • É totalmente natural.

BENEFICIOS

botão quero comprar

Com o DermaCaps na sua rotina de dieta e exercícios, você pode queimar gordura e acabar definitivamente com o excesso de peso, você emagrecerá rápido e com saúde.

Como Dermacaps funciona?

Para consumir diariamente, essas pílulas irão desintegrar a gordura corporal e também acelerar o seu metabolismo, ao mesmo tempo que lhe dar uma sensação de saciedade que permite a perda de peso e conservar a energia, o que é muito difícil de alcançar com outros métodos.

BANNER DERMACAPS

Preço e Onde comprar Dermacaps

Ao adquirir um pote com 30 capsulas você pagará em 12x, 3 potes saem pela metade do preçO, 10 potes é a maior economia, comprando hoje na promoção.

Essa é a sua chance de conseguir o corpo dos seus sonhos, melhorar sua autoestima e se sentir ainda mais linda.

Pode ser adquirido no site oficial, não é indicado comprar em outro lugar ou mercado livre, pois o produto poderá ser falsificado e acabar prejudicando a sua saúde.

CLIQUE ABAIXO e adquira o DermaCaps agora mesmo, não perca mais tempo, consiga o corpo que você sempre quis.

DERMACAPS PREÇO

botão quero comprar