26 choros icônicos de homens que revelam muito sobre a masculinidade

Você não chora.

Este duelo é talvez tão antigo quanto o ovo e o frango, mas de alguma forma continua em uma batalha eterna. De vez em quando choramos, sim. Mas você pode? Lá no primeiro episódio do podcast Man Chora, eu e meu parceiro no programa Lucas Machado, pensamos no tema do pensar: quando pode um homem chorar e o que o revela?

A partir dessa discussão, houve muitos intercâmbios com os ouvintes, uma conversa com o Guilherme apareceu no Instagram e o convite para esta lista aqui

Há 26 gritos selecionados de forma completamente arbitrária. Em nossa opinião, esses gritos icônicos ajudam a responder às perguntas acima.

Os 26 gritos são categorizados em certos temas que refletem quando um homem "pode" chorar – e quando ele chora "sem permissão" porque sim. É natural que haja mais temas e mais choro, então a conversa se estende nos comentários, beleza?

A fluência da vitória

"O grito é válido no momento da celebração. Caso contrário, não parece que eu seja saudável."

Esta frase é de um entrevistador de rádio entrevistado pelo jornal "O Estado de São Paulo" após o desafio grito do defensor Thiago Silva na Copa do Mundo de 2014.

Um povo chega lá, mas primeiro vamos olhar a frase.

Já revela uma visão clara de que temos no senso comum. Pode-se chorar primeiro quando ele vence. Este é um grito associado a uma das poucas emoções permitidas ao homem: euforia.

primeiro Rubinho

Esse é exatamente o caso do piloto Rubens Barrichello. Nesta foto, ele está no topo do pódio pela primeira vez em sua carreira. Rubinho é uma das figuras mais "memetizadas" da fantasia popular brasileira, muito antes dos memes serem o que são hoje. Sua primeira vitória representou o descarregamento de tanto, por ele e por uma série de vitórias na Fórmula 1 desde Ayrton Senna, que esse choro foi legitimado. Chora, Rubinho!

2º Pelé

Quando a vitória vem como resultado dos jovens, há que você pode chorar, garoto. A foto é de Pelé, 17 anos, abraçada por Gilmar e mais companheiros de equipe na memória do 58º título da Copa do Mundo, conquista após a tragédia da final da 50ª Copa, após Nelson Rodrigues falar sobre as complexas voltas

um menino negro das terras baixas de Santos, se mistura com a sensação de um país inteiro. Tal soma coloca esse grito como uma das mais legítimas corrupções masculinas da história do Brasil.

3 Na busca pela felicidade

A vitória não é só no esporte, não é? Eu estava pensando em chamar isso de guerra da alegria, mas o homem geralmente não chora em um dia de céu azul, sente-se na praça, apenas observe crianças brincando sobre ele em um dia sem notícias de crise política.

É preciso um grande evento. Algo que estimula a euforia, um poderoso gatilho. É assim no filme The Pursuit of Happiness. Chris, o personagem de Will Smith, chegou ao fundo do poço e nós o seguimos. Até que, em uma jornada épica, ele atinge seu objetivo. É dessa cena que me lembro de momentos de pura felicidade em minha vida. Quando Chris sai do escritório para a rua, ele encontra seu filho apenas para compartilhar esse momento.

O que mais me emociona nessa cena é como as lágrimas chegam aos olhos de Will Smith, mas não caem. Mesmo nesse ponto, Chris está chorando, ainda que inconscientemente. Mesmo em um momento em que o choro seria legítimo, aceito o instinto de mantê-lo quanto possível.

Acho que com essa varanda temos que entrar em outra categoria.

Rastejamento da Crise Interior

Vimos três casos em que o homem começa a chorar. É difícil encontrar uma pessoa que está olhando para um dos exemplos acima e pensa "o homem fraco que está chorando porque ganhou a primeira corrida na vida" ou "porque ele ganhou a primeira Copa do Mundo para o Brasil" ou "porque ele tem seus sonhos depois Tendo atingido o fundo da pobreza ".

Mas há outra maneira de olhar para os três exemplos. Remova gritos. Sem vacas, esses homens seriam piores?

Eu chuto isso. Talvez eles fossem tão famosos. Talvez eles tenham se tornado famosos. O homem está chorando tem uma sensação de "inescapável". Temos sido tão treinados para engolir o choro, já que as crianças, quando chora, dependem do fato de estar fugindo. Isso é porque você não poderia lidar com isso. Às vezes, tudo bem, como os três casos acima. Às vezes não é tão aceito. É nessa configuração que eu me encaixo na categoria "crise interna".

Quando o choro voa em uma situação que não representa euforia, é provável que esse choro seja um sintoma da crise interna do homem. Essa crise pode ter várias causas, mas via de regra está escondida, enterrada. Até um certo evento, a crise irá surgir e chorar virá com um tsunami, contra o qual as barreiras que construímos, enquanto não o suficiente. É neste grito que os homens são vistos como fracos. É esse grito que é considerado insalubre. Ah, e também é no choro que as pessoas ficam mais comovidas quando essa identificação acontece.

4 Neymar

Comece com a controvérsia. Não sei se você acredita nesse grito de Neymar. Vamos começar com a premissa de que esse grito é real – a hipótese oposta nos levaria a uma análise completamente diferente.

Então, a Copa do Mundo de 2018, só depois de 7×1. Você já colocou muito peso lá. Você é o líder técnico da equipe, a grande responsabilidade de conquistar um título e recuperar o prestígio do país após a maior vergonha da história do futebol brasileiro. Você vem de uma lesão grave, que exigiu cirurgia e uma recuperação de três meses.

No final do segundo jogo, o gol confirmou a vitória e melhorou a situação da Copa do Mundo.

No final do segundo jogo, o gol, a vitória confirmou e melhorou a situação do Brasil no grupo. Termine o jogo. Eu choro Tsunami.

Novamente, a premissa é que o choro é genuíno, honesto. Isso não faz sentido? O choro de Neymar revela uma crise interna baseada em uma série de impressões, algo que não mencionei ou não sei. O que espero não é que você acredite em Neymar. É como nessa lista que você percebe um padrão. Próximo exemplo então

5. Thiago Silva

"O grito é válido no momento da celebração. Caso contrário, não parece ser saudável."

É mais controverso. Deste, ninguém duvida. Mas a crítica não foi mais suave. Como a frase em destaque revela, e como eu mesmo já disse muitas vezes na minha vida, Thiagois estava chorando na disputa de pênaltis contra o Chile nos últimos 16 da Copa do Mundo de 2014 no Brasil não saudável. Isso é o que eu e boa parte do Brasil achamos

O que revela o mesmo exercício com Neymar? Grande impressão. O capitão da equipe, a segunda copa da casa, tentou apagar o espaço em 1950. Melhor defensor do mundo para muitos. A seleção não funciona bem. O Chile colocou uma bola no travessão no último minuto da prorrogação.

Thiago não se sentiu capaz de fazer uma penalidade e pediu para estar no final da lista. Com a vitória do Brasil sobre a punição, ela entrou em colapso.

Os apelidos do caso eram "desequilíbrio emocional", "despreparados".

Por mais precisas que essas frases possam ser em teoria, o fato é que: Thiago chegou em um momento de crise e os gritos fugiram como um tsunami. Nós olhamos para este fato e criamos um segundo fato: nós julgamos, colocamos mais pressão.

Tratamos os gritos de Thiago como ilegais. O grito de um homem em crise. É só quando o homem chora mais. Quer ver isso?

6 Nasce uma estrela

Jack (Bradley Cooper), nascido em uma estrela, filma-se em várias categorias do Oscar de 2019. Aqui ele está na clínica de reabilitação. Vou evitar spoiler mas ele está aqui porque chegou ao fundo do poço e se sente extremamente culpado. É neste momento que ele está chorando pela primeira vez no filme.

7 Gênio indestrutível

Will (Matt Damon) fornece uma série de defesas para evitar continuar sua vida. Tudo por causa da culpa, ele conhece o trauma de seu passado, as doenças que sofreu. Sean (Robin Williams) precisa de todo o filme, mas libera cada uma das defesas de Will. Quando a última defesa é atacada, Will começa a chorar. Sua crise vem à tona.

8º Clube dos Cinco

Você acha que essa lista não seria icônica? O Clube dos Cinco é um filme crucial de uma geração. A cena de "terapia de grupo" é a cena que define o filme.

Andrew (Emilio Estevez) revela a imprensa que ele está sofrendo de seu pai para ter sucesso. Falha não é permitida em sua casa sob nenhuma circunstância. Brian (Anthony Michael Hall) revela a solidão que ele conhece quando percebe que ninguém continuará seu amigo depois de sua prisão.

nona Breaking Bad

Este é, como muitos outros, um único grito de Jesse Pinkman (Aaron Paul) que está ligado à dívida. Aqui está a culpa por querer matar Walter White – uma vontade muito credível. Jesse também chorou na série quando se sentiu culpado pela morte da namorada, entre outras grandes crises vividas pela equipe, causadas ou manipuladas principalmente por Walter.

10 Negócios

Em um exemplo menos conhecido, Noah (Dominic West) em uma cena de Alison (Ruth Wilson) revela seu maior trauma do passado. Seu trauma não apenas define seu arco ao longo da terceira temporada, mas também alimenta as crises que definem o personagem. No único momento em que ele confia no trauma, ele chora em uma das cenas mais bonitas que já vi na televisão.

décimo primeiro Você nunca esteve realmente aqui

A crise devastadora pode ser revelada em um grito mesmo quando esperamos violência extrema, como em Você nunca esteve aqui. Joe (Joaquin Phoenix), com sua coleção de traumas que quase amaldiçoam sua existência, coloca toda a sua energia em vingança. Mesmo esse homem experimenta uma crise intensa quando ele é incapaz de entregar a violência que ele espera.

12 Interstellar

Retorne a um exemplo mais mundano – embora em Interstellar seja uma ficção científica – Cooper of the Crisis (Matthew McConaughey) associou-se com Dad's Saudade, Murph (Jessica Chastain). Ao vê-la em um vídeo mais antigo que ele – em uma jornada espacial que muda a relação com o tempo – a importância da decisão de Cooper de entrar nessa missão surge quando ele vê o que perdeu

. Locke

Já Locke (Tom Hardy) vive a crise em sua plenitude, não por qualquer razão, mas por vários. Muitas das questões masculinas – que já foram comentadas na PdH neste texto – estão neste filme e estão em conflito direto umas com as outras. Locke é o pai de uma família, ele é respeitado no trabalho, ele tem os pilares típicos da masculinidade erigidos. Até que todo mundo comece a desmoronar.

XIV 12 homens e um julgamento

Em 12 homens e um julgamento, a crise também é revelada no júri, que determina o destino de um menino em um caso de assassinato. Para Jury 3 (Lee J Cobb), seu relacionamento com a paternidade com seu próprio filho é testado e resulta em choro quando ele tenta tentar o réu.

15 O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei

Quando um dos mais importantes amigos do sexo masculino na história do cinema encontra sua maior crise no retorno do rei, esses homens estão em crise. Frodo (Elijah Wood) provoca enquanto se sente traído por Sam (Sean Astin). Sam está chorando apesar de saber que ele não traiu Frodo. Lá ele perdeu o emprego. Prometa como Gandalf o fez seguir e cumprir, mesmo que isso lhe custasse a vida. Nesse fracasso, Sam sente que perdeu seu valor, que também fala de seu valor como homem.

16 This is Us

Como um exemplo final de crise, vamos usar o This Is Us. Randall (Sterling K Brown) vive com um certo tipo. Ansiedade Kris. Um tema invisível relacionado aos homens nas histórias. De fato, se você quiser ver um homem chorar, veja a série.

Creep of Grief

Os sentimentos do creep podem vir como algo incontrolável até mesmo de crise ou em um momento que mistura coisas. A tristeza. A dor da morte de alguém, assim como a vitória, gera um dos poucos momentos em que você chora mais facilmente.

Mas a lógica continua: se você não chorar, também será visto como positivo.

17 Homem-Aranha

Um dos três heróis mais populares de todos os tempos tem em sua dor sua grande lição e motivação. A morte do tio Ben reflete Peter Parker em todas as histórias. No primeiro filme do Homem-Aranha, os gritos de Tobey Maguire choram pela dor que sente pela morte de seu tio.

18 Sete

Já em sete, o detetive Mills (Brad Pitt) vive a dor em uma mistura de raiva, o pecado capital que John Doe (Kevin Spacey) pretende revelar usando o detetive. O medo que Mills sente nesta cena se torna aparente através do seu choro.

19 O Poderoso Chefão

Poucos personagens são tão emblemáticos quanto Don Vito Corleone (Marlon Brando), de O Poderoso Chefão. É em lágrimas pela morte de um dos seus filhos que ele revela onde está a sua prioridade, mesmo num mundo tão violento e corrupto como a máfia. É a fronteira que o mundo não deve exceder em sua visão.

20 Blade Runner

A chamada da rota pode ter outra forma. Uma contemplação da própria morte. Isto é o que acontece com a replicação de Roy (Rutger Hauer) em Blade Runner. Sua incapacidade de chorar como um replicador é compensada pela chuva como lágrimas de avental como ele faz o monólogo que entrou na história do cinema. Essa tristeza pela própria morte também revela um tipo de crise. A injustiça que Roy conhece de seu núcleo porque ele é considerado não humano.

21 Logan

Nós vemos a mesma dor por si mesmo em Logan (Hugh Jackman). Sua existência incluiu crises relacionadas à sua imortalidade, à sua violência, sendo perseguido como um mutante. Seu choro muda um pouco. Mais do que um sintoma de crise, quase revela um alívio através de uma solução para crises através da morte.

22 The Last Jedi

Semelhante ao choro de Logan, temos as últimas lágrimas de Luke em Star Wars: The Last Jedi. Ao ajudar a resistência e usar toda a sua habilidade com o poder, Lucas confia em princípios que há muito tempo ele extinguiu.

Proteção à desumanização

O clima melhorou, mas ainda temos um ponto sério a ser percebido. Nas histórias, a maioria dos personagens tem um perfil muito visível nas fotos acima. Eles são brancos. Quando o homem negro chora?

Uma das ocasiões é a vitória, o grito da euforia, que é visto com o exemplo da Pelex. Outra das ocasiões ocorre quando o homem negro é desumanizado. O mais comum é a escravidão.

23 12 Anos de Escravidão

A guerra da escravidão pode até ser entendida como resultado de mais uma crise interna. A diferença é que esta crise tem uma origem externa clara. Desumanização de todo tratamento dado ao escravo. Quanto a Solomon Northup (Chiwetel Eijofor), por 12 anos de escravidão, esse sentimento ainda é confrontado com seu conhecimento da liberdade, o desejo pela família, quando se tornou escravo adulto após o seqüestro

. Corra!

Nem precisamos entrar em casos históricos para ver esse efeito. Em Run !, Chris (Daniel Kaluuya) é feito de um escravo dentro de sua mente, e dá ao seu corpo uma testemunha para uma pessoa branca. Na hipnose, onde ele está preparado para o procedimento, completamente imobilizado, o choro é a única expressão remanescente.

25 Educação sexual

A desumanização também pode ser feita de outras formas. Na educação sexual, Eric (Ncuti Gatwa) é gay e espancado por isso. Embora não esteja em situação análoga à escravidão, nenhuma outra parte de sua personalidade é aceita e forças externas o castigam por isso.

Guerra de Cura

Nestes exemplos que vimos acima, pudemos compreender três momentos típicos em que se aceita o choro: vitória, tristeza e desumanização. Também vimos uma espécie de grito que não é tão aceito, mas que é um excelente sintoma de nosso estado emocional enfraquecido, o grito que revela severas crises internas.

O que essas quatro categorias de choro têm em comum? Mesmo quando aceito, nenhum deles nesta grama foi recebido ou comemorado pelo homem que chorou. O choro simplesmente escapou.

É possível entender o grito de uma quinta forma, uma que nos faz sentir bem porque choramos, para aceitar este momento de emoção na superfície com compaixão. É isso que eu, sem criatividade, chamo de grito de cura. Como no último exemplo da lista.

26 Chame-me pelo seu nome

Na última cena do filme Call me by His Name, Elio (Timothée Chalamet) trata do fim da fantasia que viveu ao longo do filme.

Antes, Elio teve o momento mais questionável em uma conversa com o pai, uma das cenas mais incríveis do cinema em 2017. Então, conversa, Elio aceita que seu momento é triste. Ele se agacha em frente à lareira e chora quando sua mãe se posiciona atrás da mesa. Seu choro não é preocupante para a família, é normal.

Não há vergonha, medo, raiva, euforia, sentimento mais "normal" para os homens ao lado dele.

Não há vergonha, medo, raiva, euforia, não mais Elios "ordinário" chorar. Ele aceita seu processo de dor no final do relacionamento e aceita chorar como parte do processo de cura.

Os corons anteriores não são um problema. Faz sentido que aqueles homens chorassem nessas horas. Talvez o problema seja o padrão que eles revelam sobre como ou quando não choramos.

No último grito, pode haver um novo objetivo a ser desejado. Um relacionamento mais saudável, com mais compaixão, com nossos sentimentos que vão além dos obstáculos e simplesmente aparecem.

A discussão aqui proposta tem muitas nuances. Para quem quer mergulhar mais nele, o convite para o primeiro episódio do podcast é Man Cries, sobre chorar. O podcast é um projeto que se concentra em examinar a masculinidade padrão e descobrir masculinidades saudáveis ​​e possíveis no processo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *